Brasil Empossado, novo ministro da Justiça decide trocar comando da PF

Empossado, novo ministro da Justiça decide trocar comando da PF

Anderson Torres assumiu cargo nesta terça (6) e teve o aval do presidente Bolsonaro para fazer a substituição na Polícia Federal

  • Brasil | Da Record TV

Solenidade de Transmissão de Cargo de Ministro de Estado da Segurança Pública, Anderson Torres

Solenidade de Transmissão de Cargo de Ministro de Estado da Segurança Pública, Anderson Torres

Marcos Corrêa/PR - 06.04.2021

O novo ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, que tomou posse nesta terça-feira (6) na reforma ministerial do presidente Jair Bolsonaro, decidiu trocar o comando da PF (Polícia Federal), confirmou fonte da Record TV em Brasília. O atual número 1 da instituição é Rolando Alexandre de Souza, no posto desde maio de 2020, quando o então ministro Sérgio Moro pediu demissão.

Segundo essa fonte, o presidente Jair Bolsonaro deu autonomia para o novo titular da pasta fazer indicação de nomes. "A troca é um processo natural na chegada do novo ministro. Uma nova administração. [Trata-se de] trazer pessoas alinhadas com a a linha de raciocínio dele [Anderson Torres]", afirmou o interlocutor. Anderson Torres é o terceiro titular da pasta na gestão atual.

De acordo com a colunista Christina Lemos do R7, o nome do novo chefe da Polícia Federal está definido desde sexta-feira (2), portanto antes da posse de Anderson Torres. Ele atende a um perfil técnico, por tempo de carreira e sua indicação não teve influência da família Bolsonaro. Rolando Alexandre de Souza, atual número 1, foi avisado na noite de segunda-feira (05)  que seria substituído no comando da corporação. Haverá ainda uma troca no comando da PRF (Polícia Rodoviária Federal).

O novo ministro

O novo ministro é delegado de carreira PF e ocupava o cargo de secretário de Segurança Pública do Distrito Federal. Ele já havia sido cotado para chefiar tanto o Ministério da Justiça quanto a PF. Próximo da família Bolsonaro, assume agora um posto sensível para o governo, já que há investigações em curso que miram a família do presidente.

Além dele, o presidente empossou na manhã desta terça, em cerimônia fechada, os novos ministros Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil), Walter Braga Netto (Defesa), Carlos Alberto França (Relações Exteriores) e Marcelo Queiroga (Saúde).

Também tomaram posse os novos titulares da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, que será responsável pela articulação política do Palácio do Planalto com o Poder Legislativo, e da Advocacia-Geral da União, André Mendonça, que volta ao cargo após passar menos de um ano à frente da Justiça.

Currículo

Com experiência em ciência policial, investigação criminal e inteligência estratégica, coordenou as principais investigações voltadas ao combate ao crime organizado na Superintendência da Polícia Federal, em Roraima, entre 2003 e 2005.

Entre 2007 e 2008, coordenou toda a atividade de inteligência da Polícia Federal na repressão a organizações criminosas de tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro. Teve sob sua responsabilidade a administração da parte técnica e logística da Diretoria de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal e suas congêneres regionais entre 2008 e 2011.

Nos últimos anos, dedicou-se a coordenar atividade parlamentar na Câmara dos Deputados voltada para as Comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, além da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle. Anderson Torres assessorou, ainda, o trabalho de duas Comissões Parlamentares Mistas de Inquérito, no Congresso Nacional.

Últimas