Operação Lava Jato
Brasil Ex-diretor da Petrobras diz estar "pagando muito caro" pelos crimes que cometeu

Ex-diretor da Petrobras diz estar "pagando muito caro" pelos crimes que cometeu

Paulo Roberto Costa e os filhos dele são acusados de corrupção e lavagem de dinheiro

Ex-diretor da Petrobras diz estar "pagando muito caro" pelos crimes que cometeu

Costa é acusado de desviar R$ 358 milhões de contratos da estatal

Costa é acusado de desviar R$ 358 milhões de contratos da estatal

Dida Sampaio/10.06.2014/Estadão Conteúdo

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou, em depoimento prestado nesta sexta-feira (18) à 9.ª Vara Federal, no Rio, que está "pagando muito caro" por seus crimes. Ele falou no processo da Operação Lava Jato do qual são réus o ex-deputado federal Nelson Meurer (PP-PR) e seus filhos Nelson Meurer Jr e Cristiano Augusto Meurer, acusados de corrupção e lavagem de dinheiro.

"Eu infelizmente errei, e me arrependo profundamente. Estou pagando muito caro. Errei, a culpa foi minha. Eu já estava desgastado, chateado com esse negócio todo, sem suportar a pressão, que era muito forte. Muitas vezes, pensei em largar tudo. Podia ter feito, e não fiz", disse Costa, o primeiro delator da Lava Jato.

Ele é acusado de desviar R$ 358 milhões de contratos da Petrobras. Condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e pertencimento a organização criminosa, foi preso há três anos, e nos últimos quatro meses está em regime aberto.

Ex-diretor da Petrobras dizia que era o Planalto que resolvia, afirma Youssef

Integrante então da cúpula do PP, Nelson Meurer teria recebido R$ 29,7 milhões em repasses mensais de R$ 300 mil entre 2006 e 2014. Seus filhos são acusados de terem intermediado o recebimento dos valores indevidos por funcionários do doleiro Alberto Youssef.

Os valores ilícitos, conforme a PGR (Procuradoria-Geral da República), compravam apoio político para a manutenção de Costa na Diretoria de Abastecimento da Petrobras. As investigações mostraram que a nomeação do ex-diretor foi feita por indicação do PP, e que ele se tornou um operador do partido na estatal. "Se eu não contribuísse com a classe política, no dia seguinte me retiravam [da Petrobras] de imediato. Ou você está dentro do jogo, ou está fora", afirmou no depoimento.

Volta às ruas

Três anos depois de ser preso pela Operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef conseguiu ontem o direito de voltar às ruas. Acusado de ser o principal operador de propinas no esquema de corrupção na Petrobras, Youssef conseguiu a progressão de regime de cumprimento de pena e pode agora deixar seu apartamento, em São Paulo, onde cumpria prisão domiciliar. O benefício decorre do acordo de colaboração premiada que fechou com a força-tarefa do Ministério Público Federal.

MPF pede a Moro para retirar benefícios da delação premiada de Paulo Roberto Costa

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.