Governo suspende nomeação de presidente da Fundação Palmares

A decisão foi publicada no Diário Oficial da União após reações em torno da escolha do jornalista, que fez declarações polêmicas em torno do racismo

Nomeação de Camargo à Presidência da Fundação Palmares foi suspensa

Nomeação de Camargo à Presidência da Fundação Palmares foi suspensa

Reprodução/Facebook

O governo federal suspendeu a nomeação do jornalista Sérgio Camargo para a Presidência da Fundação Palmares. A decisão foi publicada na edição desta quarta-feira (11) do Diário Oficial da União, que não aponta nenhum outro nome para o cargo.  

Leia mais: Nomeado para Fundação Palmares é criticado pelo irmão

Sérgio Camargo foi nomeado no dia 27 de novembro para subistituir Vanderlei Lourenço. A decisão de Roberto Alvim, secretário Especial da Cultura — pasta a qual a fundação está vinculada — gerou uma série de manifestações contrárias. Isso porque o jornalista, que é negro, fez uma série de declarações polêmicas sobre racismo e o período da escravidão no Brasil, além de defender o fim do Dia da Consciência Negra. 

Antes de ser nomedo para chefiar a Fundação Palmares, órgão criado para promover a cultura afro-brasileira, ele descreveu como "nutella" o racismo no Brasil. "Racismo real existe nos Estados Unidos. A negrada daqui reclama porque é imbecil e desinformada pela esquerda", afirmou.

Sérgio Camargo também chegou a afirmar que a escridão no Brasil foi "benéfica" para os negros. "A escravidão foi terrível, mas benéfica para os descendentes. Negros do Brasil vivem melhor que os negros da África."

A reação dos movimentos sociais foi imediata, e militantes passaram a pedir a revogação da nomeação. Até mesmo Wadico Camargo, irmão de Sérgio, criticou a decisão do governo. Nas redes sociais, o produtor cultural disse "ter vergonha" do parente, a quem se referiu como "capitão do mato". 

Na ocasião, a Secretaria Especial da Cultura informou, em nova, que as mudanças na equipe "visam garantir maior integração e eficiência à pasta". 

Na mesma nota, o órgão declarou que Sérgio Camargo "defende que o negro não precisa ser de esquerda e trabalha pela libertação da mentalidade que escraviza ideologicamente os negros, gerando dependência de cotas e do assistencialismo estatal".

A pasta afirmou ainda que a função do jornalista à frente da Fundação Palmares seria "desaparelhar e direcionar o dinheiro público para o desenvolvimento de políticas públicas que protejam e incentivem a verdadeira cultura negra".

No último dia 4, o juiz Emanuel José Matias Guerra, da 18ª Vara Federal do Ceará chegou a barrar a nomeação de Sérgio Camargo. Na avaliação do magistrado, a decisão "contraria frontalmente os motivos determinantes para a criação daquela instituição e a põe em sério risco". Na ocasião, Camargo informou ao R7 que a decisão do juiz era "estapafúrdia" e seria derrubada.