Jungmann: informações sobre assassinato devem ficar em sigilo

Vereadora Marielle Franco foi morta a tiros na noite de quarta-feira (14) no centro do Rio de Janeiro. Motorista também foi morto

Jungmann diz que crime não ficará impune

Jungmann diz que crime não ficará impune

Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil 06.03.2018

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou, após participar de um evento em Fortaleza, que o governo não deve divulgar as informações a respeito do assassinato vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.

— O que se sabe não se deve divulgar e neste caso as informações que detemos devem ficar sob sigilo.

Segundo ele, crime não pode ficar impune

— Quem cometeu esse bárbaro crime não ficará impune. Me reunirei com todas as forças de segurança para desvendar esse crime. 

Mais cedo, o presidente Michel Temer convocou uma reunião de emergência para discutir o caso e determinou que Jungmann fosse ao Rio acompanhar pessoalmente as investigações.

— Queremos solucionar no menor prazo possível.

Temer afirmou que o assassinato da vereadora e de Anderson Gomes "é inaceitável, inadmissível, como todos os demais assassinatos que ocorreram no Rio".

O presidente deve ir ao Rio no próximo Domingo (18) para uma reunião de segurança. O evento já estava sendo organizado nesta quarta-feira (14) antes dos assassinatos, e a ideia era tentar fazer um balanço de um mês de intervenção.