Membro do governo diz que Moro fez estardalhaço sem evidências

Fonte avalia que a divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril faz propaganda eleitoral para a reeleição de Bolsonaro em 2022

Moro

Moro alega tentativa de interferência de Bolsonaro na PF

Moro alega tentativa de interferência de Bolsonaro na PF

Joédson Alves/EFE – 24.04.2020

Um membro da equipe do governo afirmou nesta sexta-feira (22) que o ex-ministro Sérgio Moro fez um grande barulho, sem a existência de evidências, ao dizer que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na PF (Polícia Federal).

Para a fonte, as falas sobre segurança reveladas nos trechos da reunião divulgados pelo ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), não indicariam nenhuma tentativa de interferência.

Leia mais: ‘Farsa desmontada’, diz Bolsonaro após divulgação de vídeo

Na questão dos palavrões falados pelo presidente durante a reunião, ele justifica que era uma reunião fechada, mas que apesar do tom grosseiro, Bolsonaro expressou suas ideias que já foram defendidas na eleição, como acesso as armas e a liberdade de expressão.

Para o membro do governo, a divulgação do vídeo ainda faz propaganda eleitoral para a reeleição de Bolsonaro em 2022. 

Sobre a fala do Ministro da Educação, Abrahan Waintraub, que disse que "era preciso prender esses vagabundos começando pelo STF", o integrante do governo disse que lavava as mãos e sinalizou que o ministro vai precisar se defender e se explicar.

Para integrantes da assessoria jurídica de Bolsonaro, a grande preocupação era centrada na divulgação de trechos que poderiam prejudicar as relações diplomáticas do Brasil. Eles avaliam que o STF teve cuidado de deixar esses trechos de fora da divulgação.