Moraes dá 5 dias para Weintraub explicar fala sobre ministros do STF

Ministro da Educação defendeu prisão para 'vagabundos' e membros da Suprema Corte durante a reunião ministerial do dia 22 de abril

Weintraub defendeu a prisão de ministros do STF

Weintraub defendeu a prisão de ministros do STF

Fátima Meira/ Futura Press/Estadão Conteúdo - 04.03.2020

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), estabeleceu nesta terça-feira (26) o prazo de cinco dias para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, prestar explicações sobre as declarações e ameaças que fez durante a reunião ministerial de 22 de abril.

Na ocasião, o ministro defendeu prisão para 'vagabundos' e membros da Suprema Corte. "Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF", afirmou Weintraub.

"Diante do exposto, DETERMINO que Abraham Weintraub, atualmente exercendo o cargo de Ministro da Educação, seja ouvido pela Polícia Federal, no prazo máximo de 5 (cinco) dias, para prestar esclarecimentos sobre a manifestação", escreveu Moraes.

Leia mais: Senado convoca Weintraub para explicar falas em reunião

Para o ministro do STF, a manifestação do Ministro da Educação "revela-se gravíssima, pois, não só atinge a honorabilidade e constituiu ameaça ilegal à segurança dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, como também reveste-se de claro intuito de lesar a independência do Poder Judiciário e a manutenção do Estado de Direito".

A investigação em questão trata da apuração de notícias falsas, falsas comunicações de crimes, denunciações caluniosas, ameaças e demais infrações que atingem a honra e a segurança do STF, de seus membros e familiares.

Na decisão, Moraes analisa que as declarações de Weintraub indiciam a prática dos delitos tipificáveis em artigos do Código Penal e da Lei 7.170/1983, que define crimes contra a segurança nacional e a ordem política e social.