Brasil Placas novas só serão obrigatórias para carros zero e transferidos

Placas novas só serão obrigatórias para carros zero e transferidos

Presidente do Denatran afirma que resolução sobre nova padronização para todos os veículos do País até 2023 será revista

Placas Padrão Mercosul

Novo modelo de placas têm quatro letras, três números e itens de segurança

Novo modelo de placas têm quatro letras, três números e itens de segurança

Reprodução

Os motoristas brasileiros não serão obrigados a trocar as placas dos veículos para se adequar ao padrão Mercosul até 2023, conforme prevê a resolução 729 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito).

A afirmação foi feita nesta quarta-feira (25) pelo presidente do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), Maurício Pereira, durante audiência da Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados.

Pereira afirma que a resolução, publicada no Diário Oficial no começo de março, voltará a ser discutida no dia 10 de maio. Segundo ele, as novas placas só serão obrigatórias nas transferências de veículos usados e na compra de carros novos.

Para os carros novos e em processo de transferência, a resolução não deve sofrer alterações e ser implementada até 1º de setembro de 2018.

As placas padrão Mercosul — bloco formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai — têm quatro letras, três números, itens de segurança e permitem o rastreamento dos veículos e clonagens. No Brasil, selos identificarão o Estado e o município dos veículos.

Após o anúncio da mudança total das placas, o Ministério Público Federal no Amazonas passou a investigar se a determinação procurou beneficiar determinadas empresas de emplacamento, em prejuízo dos proprietários de veículos. O órgão avalia que a resolução traz gastos aos proprietários de veículos e lucro a um pequeno grupo de empresas.

Custo

Durante a audiência na Câmara, alguns presentes disseram aos parlamentares que os novos modelos terão um custo menor do que as atuais. Atualmente, os motoristas pagam entre R$ 150 e R$ 200 pelo par de placas.

"Hoje as placas são vendidas por este preço, mas não é no fabricante, não é no estampador. Ela é vendida a esse preço por atravessadores, que são despachantes, que são concessionárias, principalmente de veículos novos”, afirmou a empresária do setor de fabricação de placas Carla Araújo.