Sara Winter deixa a prisão após autorização de Alexandre de Moraes

Líder do grupo "300 do Brasil" estava detida desde desde a segunda-feira (15) da semana passada 

Sara deverá utilizar tornozeleira eletrônica

Sara deverá utilizar tornozeleira eletrônica

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 09.06.2020

A ativista Sara Winter, líder do grupo "300 do Brasil", deixou o presídio feminino do Gama, no Distrito Federal, no início da noite desta quarta-feira (24). A soltura ocorre horas após o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizar a libertação dela e de outros cinco ativistas do grupo.

A determinação de Moraes pela substituição da prisão de Sara e de outros cinco réus por medidas cautelares estabelece que os investigados usem tornozeleira eletrônica ao deixar a penitenciária.

Leia mais: Investigação mira 'vaquinha' para grupo de Sara Winter

Sara Winter estava presa desde a segunda-feira (15) da semana passada por determinação de Moraes, que é relator do inquérito que investiga atos contra o Congresso Nacional e a Suprema Corte. Na sexta-feira (19), o ministro decidiu prorrogar por mais cinco dias a prisão da ativista. 

Há algumas semanas, Sara atacou o ministro pelas redes sociais depois de ter sido alvo de mandado de busca e apreensão no inquérito das fake news. Como punição, o MPF (Ministério Público Federa,) sugere que ela pague uma multa de, no mínimo, R$ 10 mil por danos morais.