Brasil Sergio Moro reage após ser chamado de 'juizeco' por humorista

Sergio Moro reage após ser chamado de 'juizeco' por humorista

Ministro da Justiça se manifestou neste domingo (5), no Twitter, sobre declarações do humorista Gregório Duvivier, que o chamou de 'juizeco'

'Declarações falam mais sobre ofensor que sobre mim', diz Moro sobre Duvivier

O ministro da Justiça, Sergio Moro, disse também ser contra a censura

O ministro da Justiça, Sergio Moro, disse também ser contra a censura

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 27.3.2019

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, se manifestou neste domingo (5) nas redes sociais sobre as declarações que o humorista Gregório Duvivier havia feito contra ele no evento que marcou um ano da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, realizado em Curitiba, no dia 7 de abril. Duvivier o chamou de "juizeco", "que fala fino com a mílícia e os Estados Unidos".

"Reporto-me a mensagens sugerindo providências contra declarações ofensivas contra mim exaradas por suposto comediante em um evento político-partidário 'Lula livre'. Bem, penso que as declarações de baixo nível falam mais sobre o ofensor do que sobre mim", escreveu Moro em sua conta no Twitter. 

Leia também: Moro diz que é cedo para falar sobre isenção a quem atirar em invasor

O ministro também escreveu que acredita na liberdade de expressão e de imprensa. “O debate de assuntos públicos deve ser sem inibições, robusto, amplo e pode incluir ataques veementes, cáusticos e algumas vezes desagradáveis ao Governo e às autoridades governamentais.”

Ele ressaltou que não apoia a censura ou o controle da palavra. "A resposta às críticas injustas da imprensa ou das redes sociais não pode jamais ser a censura ou o controle da palavra. Deve ser o aprofundamento do debate, o livre intercâmbio da idéias. O esclarecimento e não o silêncio."

Saiba mais: Moro rebate acusação de 'ativismo' feita por ex-premiê português

"Claro, tal liberdade não abrange ameaças. Não significa também que concordo com excessos ou ofensas a quem quer que seja, mas apenas que, para essas, não acredito que o remédio seja a censura", completou.