Brasil Temer recua e decide manter Imbassahy na Secretaria de Governo

Temer recua e decide manter Imbassahy na Secretaria de Governo

Tucano sairia para dar lugar ao deputado Carlos Marun no ministério

Temer recua e decide manter Imbassahy na Secretaria de Governo

Temer decidiu manter Imbassahy na Esplanada

Temer decidiu manter Imbassahy na Esplanada

Alan Santos/PR - 22.11.2017

O presidente da República, Michel Temer (PMDB), decidiu recuar nesta quarta-feira (22) e manter o deputado Antônio Imbassahy na Secretaria de Governo da Presidência da República, de acordo com informações de uma fonte da produtora Cláudia Gonçalves, da Record TV, em Brasília.

Mais cedo, o Planalto havia decidido trocar o comando da pasta e colocar o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) no lugar. Havia até um post no Twitter oficial do Planalto que previa a posse conjunta de Marun (Secretaria de Governo) e Alexandre Baldy (Cidades). O tweet, porém, foi apagado em seguida.

Em nota, a assessoria informou que "o perfil do Planalto no Twitter publicou de maneira equivocada que o deputado Carlos Marun tomaria posse hoje na Secretaria de Governo".

O comunicado completa que "o funcionário terceirizado responsável pela publicação errada foi advertido e a mensagem, apagada. Lamentamos o equívoco".

Baldy no Ministério das Cidades

A escolha de Baldy no lugar do tucano Bruno Araújo, que pediu demissão na semana passada, tem sido destacada por interlocutores do presidente como uma escolha que ajuda a organizar parte da base.

A articulação foi feita diretamente com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Alexandre Baldy é o novo ministro das Cidades

Alexandre Baldy é o novo ministro das Cidades

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 17.10.2016

O cargo de Imbassahy estava sendo pleiteado pelo PMDB e outras siglas do Centrão, mas Temer já tinha dito que não fará "nada com pressa".

A avaliação é que a escolha de Baldy mostra uma costura eficiente do governo e ajuda a retomar a pauta da Previdência. Após a escolha de seu aliado, Maia já anunciou que pretende colocar a reforma em votação na primeira semana de dezembro.