Brasília Adolescentes que ameaçaram massacres em escolas de Goiás são apreendidos

Adolescentes que ameaçaram massacres em escolas de Goiás são apreendidos

Polícia Civil apreendeu três jovens suspeitos de ameaçar massacres em escolas no Entorno do Distrito Federal

  • Brasília | Hellen Leite, do R7, em Brasília

'Vão tudo morrer', dizem mensagens direcionadas à escola de Luziânia

'Vão tudo morrer', dizem mensagens direcionadas à escola de Luziânia

Reprodução

Três adolescentes foram apreendidos em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal, após ameaçarem massacres a escolas. Os jovens foram detidos pela Polícia Civil de Goiás na terça-feira (16) na Operação Brick in the wall. Os agentes também cumpriram cinco mandados de busca e apreensão nas casas dos suspeitos.

"A partir de diligências realizadas pela equipe de investigações, foram obtidos elementos probatórios que embasaram os pedidos das medidas cautelares deferidas e cumpridas", informou a corporação. 

Leia também: Com apoio dos EUA, polícia prende rapaz que planejava massacre no DF

Os adolescentes estão internados provisoriamente e serão investigados pela prática de atos infracionais análogos aos crimes de ameaça, incitação de crime e apologia ao crime. A investigação foi feita pela Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais.

Ameaças

Em fevereiro, mensagens em tom de ameaça foram enviadas ao diretor do Colégio Estadual Vasco dos Reis Gonçalves, no distrito de Jardim do Ingá, e deixaram pais, alunos, funcionários e professores em estado de alerta.

Em uma das mensagens, houve a publicação da imagem de uma arma; em outra, relembra-se o atentado que resultou na morte de sete pessoas em uma escola de Suzano, no interior de São Paulo, em março de 2019, e também ao massacre de Columbine, nos Estados Unidos. "Vai todo mundo morrer", diz o texto das mensagens.

Na época, o superintendente de Segurança Escolar e Colégio Militar da Secretaria de Educação do Estado de Goiás, Mauro Vilela, manifestou preocupação com o caso e informou que o policiamento na escola foi reforçado.

"O adolescente ainda não foi identificado, e estamos verificando a veracidade das mensagens. Há uma preocupação com o ambiente escolar como um todo. Então, assim que soubemos, acionamos as polícias da cidade para que intensificassem o policiamento nas redondezas da escola e em outros colégios da região", detalhou.

As ameaças fizeram a Secretaria de Educação do Estado de Goiás pedir o mapeamento dos protocolos de segurança utilizados nas escolas e estudar a antecipação de um programa de reciclagem para professores e gestores.

Últimas