Brasília Apesar do discurso de Bolsonaro, forças de segurança se vacinam contra a Covid-19

Apesar do discurso de Bolsonaro, forças de segurança se vacinam contra a Covid-19

Levantamento feito pelo R7 mostra dados de imunização da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Depen

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro e agentes da Polícia Rodoviária Federal, no Palácio do Planalto

O presidente Jair Bolsonaro e agentes da Polícia Rodoviária Federal, no Palácio do Planalto

Anderson Riedel/PR - 21.02.2022

Base eleitoral do presidente Jair Bolsonaro (PL) e à espera de reajuste salarial, as forças federais de segurança pública – PF (Polícia Federal), PRF (Polícia Rodoviária Federal) e Depen (Departamento Penitenciário Nacional) – apresentam altos índices de vacinação contra a Covid-19 em seus quadros de funcionários, o que contrasta com a narrativa adotada pelo chefe do Executivo de criticar a eficácia das vacinas e desestimular a imunização.

Levantamento feito pelo R7 com base em dados recebidos via Lei de Acesso à Informação e cruzamento de números disponibilizados em painéis do governo mostra que a PRF é a força com o maior número de funcionários vacinados: mais de 90%.

A PF também apresenta dados satisfatórios em relação à imunização: mais de 85% dos policiais federais estão vacinados.

Nas duas forças de segurança pública, os índices de imunização superam os números do país, que tem, de acordo com o Vacinômetro do R7, 80,64% (172.010.317 pessoas) com a primeira dose e 72,56% com a segunda ou dose única (154.188.605 pessoas).

O Depen, por sua vez, é o que ostenta a posição mais amarga no ranking, a última, na casa dos 60%.

Confira, abaixo, os dados de vacinação na PRF, na PF e no Depen:

Polícia Rodoviária Federal
Servidores: 12.271
Primeira dose: 11.832 (96%)
Segunda dose: 11.313 (92%)

Polícia Federal
Servidores: 13.291
Vacinados (não informaram se com as duas doses ou com uma só): 11.885 (85,37%)

Depen
Servidores: 117.992
Primeira dose: 80.427 (68,16%)
Segunda dose: 70.909 (60,10%)

Nas diretrizes sanitárias das forças de segurança pública, há recomendações do uso obrigatório de máscara, limpeza e desinfecção de superfícies, aferição de temperatura corporal e medidas para aumentar o distanciamento social e diminuir o contato individual entre os servidores.

A pandemia de Covid-19 já matou 646.419 mil brasileiros, de acordo com dados divulgados na última quarta-feira (23). Outros 28.484.890 foram diagnosticadas com a doença e, segundo o Ministério da Saúde, mais de 25,7 milhões se recuperaram.

A taxa de letalidade da Covid-19 no Brasil é de 2,3%, e a taxa de mortalidade por cada 100 mil habitantes é de 307,6. Especialistas afirmam que a vacinação contra a Covid-19 é a maneira mais eficaz de combater o vírus e impedir que atinja as pessoas de forma letal.

Segundo a Casa Civil da Presidência da República, foram distribuídas pelo governo mais de 390 milhões de doses de vacina a todo o país até o fim de 2021. Em 2022, a pasta informou que o Brasil receberá dos laboratórios contratados mais de 354 milhões de doses.

O avanço da imunização nas forças de segurança, base de Bolsonaro, ocorre mesmo com as declarações feitas pelo mandatário de crítica à eficácia das vacinas e de desestímulo à imunização.

O presidente da ADPF (Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal), Luciano Leiro, é um dos policiais vacinados contra a Covid-19. Ao R7, ele disse que a corporação não parou durante a pandemia. "Pelo contrário, além de garantirmos a distribuição das vacinas, batemos o recorde de operações de combate à corrupção e desvios de recursos públicos em 2020."

"Estamos expostos do Norte ao Sul em nossas operações e demais atividades e, infelizmente, perdemos colegas por causa da Covid-19. Justamente por isso, a vacinação das forças policiais de forma maciça foi muito importante", completou. 

Bolsonaro já chamou o passaporte vacinal de "coleira", questionou o interesse de "tarados" pela vacina, disse que as pessoas poderiam virar jacaré com a imunização e criticou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em relação à vacinação de crianças e adolescentes. O mandatário, que já teve diagnóstico positivo para a Covid-19 em 2020, afirmou que não tem a intenção de se vacinar.

Reajuste salarial

As forças de segurança federais estão à espera do reajuste salarial prometido por Bolsonaro. Na última semana, durante cerimônia realizada no Palácio do Planalto, em Brasília, Bolsonaro sinalizou que deve conceder aumento a policiais e pediu compreensão às demais categorias.

No último dia 16, o chefe do Executivo informou que definiria até maio se haveria ou não reajuste salarial para os profissionais da área de segurança pública. O chefe do Executivo anunciou ainda que o governo federal contemplará aumento de salário para todos os servidores na elaboração do Orçamento de 2023.

No final de 2021, o governo federal reservou cerca de R$ 1,7 bilhão para contemplar reajuste salarial de policiais federais, policiais rodoviários federais e servidores do Depen. O movimento, no entanto, causou insatisfação generalizada em servidores de outras categorias, como a Receita Federal.

Últimas