Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Após CPMI, Anderson Torres presta depoimento na CPI da Câmara Legislativa do DF nesta quinta

Depois de quatro tentativas, será a primeira vez que o ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança Pública comparecerá à CLDF

Brasília|Giovanna Inoue, do R7, em Brasília


Torres não pode deixar o país nem usar redes sociais
Torres não pode deixar o país nem usar redes sociais

O ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal Anderson Torres presta depoimento nesta quinta-feira (10) à CPI que investiga os atos de 8 de janeiro na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). Ele compareceu à CPMI do Congresso Nacional que apura o mesmo assunto na última terça (8) e falou por pouco mais de sete horas.

Torres ficou 117 dias preso por suposta omissão em relação aos atos extremistas que resultaram na invasão e depredação das sedes dos Três Poderes, em Brasília. Ele está sob liberdade provisória desde maio, concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

À CPMI, ele afirmou que "houve falha grave na execução" dos protocolos de segurança no 8 de janeiro, o que teria possibilitado as invasões. O ex-ministro disse também que não recebeu informações sobre a gravidade da situação antes de viajar com a família para os Estados Unidos, no dia 6.

Essa é a quarta vez que o depoimento de Torres é marcado no colegiado da Câmara Legislativa. Na primeira convocação (9 de março), o ex-ministro estava preso e solicitou ao STF que não fosse obrigado a comparecer, o que lhe foi concedido. Na segunda (16 de março), a data coincidiu com o depoimento dele no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na terceira (23 de março), Torres informou ao STF que não queria prestar depoimento por não ter "nada a acrescentar".

Publicidade

Relembre o caso

Anderson Torres foi nomeado secretário de Segurança Pública do DF (SSP) pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) no dia 2 de janeiro, ao deixar o governo federal. Ele foi ministro da Justiça do ex-presidente Jair Bolsonaro e havia conduzido a SSP entre 2019 e 2021.

Em 6 de janeiro, dois dias antes dos atos, o então secretário viajou com a família para o Estados Unidos de férias. Ele foi exonerado do cargo no mesmo dia dos atos e teve a prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes no dia 10.

Torres foi preso preventivamente em 14 de janeiro ao desembarcar dos Estados Unidos e permaneceu detido até 11 de maio, quando obteve liberdade provisória. Desde então, o ex-secretário usa tornozeleira eletrônica, está com o porte de arma de fogo suspenso e não pode deixar o país, usar redes sociais nem manter contato com os outros investigados no inquérito.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.