Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Após Justiça liberar, governo realiza leilão para importar até 300 mil toneladas de arroz

Justiça Federal tinha suspendido realização do ato, mas nesta quinta-feira decisão foi derrubada; leilão é feito em função das chuvas no RS

Brasília|Do R7, em Brasília

Leilão vai ocorrer em formato eletrônico (Marcello Casal Jr/ Agência Brasil)

Com a decisão do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) que permitiu a realização do leilão para a compra de até 300 mil toneladas de arroz importado, o governo federal iniciou a compra do produto às 9h desta quinta-feira (6). A realização do ato chegou a ser cancelada após decisão liminar do tribunal, mas o presidente do órgão derrubou a suspensão na manhã desta quinta e manteve o leilão.

Veja mais

Segundo o Ministério da Agricultura, a decisão de realizar o leilão para importar arroz foi tomada para evitar alta nos preços do produto em decorrência das chuvas no Rio Grande do Sul, responsável por cerca de 68% do arroz produzido no Brasil.

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) informou que o arroz que será comprado chegará ao consumidor final por, no máximo, R$ 4 o quilo e deve ser entregue até 8 de setembro. As despesas para a aquisição do arroz estão limitadas a R$ 1,7 bilhão, e os custos de equalização de preços para venda do produto são de até R$ 630 milhões.

Em maio, o governo autorizou, em caráter excepcional, a importação de até um milhão de tonelada de arroz beneficiado ou em casca para recomposição dos estoques públicos.

Publicidade

De acordo com a medida provisória, os estoques serão destinados, preferencialmente, à venda para pequenos varejistas de regiões metropolitanas. Como justificativa, o governo informou que o objetivo da importação “é evitar especulação financeira e estabilizar o preço do produto nos mercados de todo o país”.

Os leilões, que devem ocorrer ao longo de 2024 em formato eletrônico, vão fornecer produtos com características de arroz beneficiado, polido, longo fino, tipo 1, safra 2023/2024. Está proibida a aquisição de arroz aromático, e o produto deverá estar acondicionado em embalagem com capacidade de 5kg, transparente e incolor.

Publicidade

Leilão

Para participar do leilão, os interessados devem estar em situação regular no Sicaf (Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores), bem como possuir habilitação jurídica e regularidade fiscal federal e trabalhista federal.

Segundo a Conab, o participante que estiver irregular no Sistema de Cobrança da Conab poderá autorizar formalmente a compensação entre o crédito a receber e o débito incontroverso registrado no referido sistema, por meio de formulário anexo ao Aviso Específico.

Publicidade

Todas as regras para a aquisição do produto podem ser consultadas no edital da companhia.

Decisão do TRF-4

O partido Novo recorreu à Justiça pedindo que o leilão não fosse realizado, e na quarta-feira (5) o juiz do TRF-4 Bruno Risch suspendeu a realização do ato. Na decisão liminar, ele pontuou que “a soberania nacional, representada pela indústria nacional, em face da produção estrangeira, deve ser prestigiada, sempre que possível”.

A AGU (Advocacia-Geral da União) recorreu, e nesta quinta o presidente do TRF-4, Fernando Quadros da Silva, derrubou a liminar. Segundo ele, os motivos que levaram à publicação do edital do leilão “são existentes e juridicamente adequados à situação excepcional vivenciada pelo estado do Rio Grande do Sul, responsável pela produção de cerca de 71% do arroz plantado no Brasil”.

Ele destacou, também, que “a tragédia climática pela qual está passando o estado gaúcho não tem precedentes na história nacional e ainda está sendo vivenciada, sendo que a grande maioria dos municípios foram afetados de alguma maneira, em maior ou menor proporção, conforme vem sendo amplamente divulgado na mídia”.

STF também vai analisar o caso

Na segunda-feira (3), a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) protocolou no STF (Supremo Tribunal Federal) uma ação direta de inconstitucionalidade contra a decisão do Governo Federal de importar arroz. A ação pede a suspensão do primeiro leilão público da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

Apesar das enchentes terem afetado boa parte da região produtora de arroz no país, a CNA afirma que não há risco de desabastecimento, uma vez que 84% da área plantada foi colhida antes do início das chuvas.

Caso o STF acolha o pedido, um conjunto de normas editado para permitir a importação será impugnado: duas medidas provisórias, duas portarias interministeriais e uma resolução do Comitê Gestor da Câmara de Comércio Exterior. O argumento da entidade é que a medida afetará a cadeia produtiva do cereal “com potencial de desestruturá-la, criando instabilidade de preços, prejudicando produtores locais de arroz, desconsiderando os grãos já colhidos e armazenados, e, ainda, comprometendo as economias de produtores rurais que hoje já sofrem”.

Segundo a CNA, “dados do setor indicam que a safra gaúcha de 2023/2024 foi de aproximadamente 7,1 milhões de toneladas de arroz, patamar aproximado ao volume colhido na safra 2022/2023 que foi de 7,239 milhões de toneladas”, destaca a entidade em nota.

O relator da ação no STF é o ministro André Mendonça. Nesta quarta-feira, ele deu cinco dias para que a Presidência da República e os ministérios do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, da Agricultura e Pecuária e da Fazenda se manifestem sobre o tema.

De acordo com Mendonça, a realização do leilão não impede que o STF tome alguma medida posterior contra a importação, visto que a entrega do arroz internacional está prevista para 8 de setembro.

“Não se vislumbra, neste primeiro exame, prejuízo ou perecimento imediatos, apto a inviabilizar a colheita prévia das manifestações de praxe. Frise-se, inclusive, que a realização do leilão, por si só, não configura qualquer óbice à sua ulterior sindicabilidade judicial”, afirmou o ministro.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.