Brasília Bancada do Republicanos pede cassação do mandato de Arthur do Val

Bancada do Republicanos pede cassação do mandato de Arthur do Val

Parlamentar disse em áudio vazado que mulheres ucranianas 'são fáceis porque são pobres', entre outros comentários depreciativos

  • Brasília | Do R7, em Brasília

O deputado estadual Arthur do Val (Podemos), na Ucrânia

O deputado estadual Arthur do Val (Podemos), na Ucrânia

Reprodução

A bancada do Republicanos na Assembleia Legislativa de São Paulo entrou com uma representação no Conselho de Ética pedindo a cassação do mandato do deputado Arthur do Val (Podemos) por causa das declarações dele a respeito das mulheres ucranianas. Em uma gravação vazada na internet, Do Val diz que as ucranianas “são fáceis porque são pobres”.

A Ucrânia foi invadida por tropas russas no dia 24 de fevereiro. Desde o início da ofensiva militar, cerca de 1 milhão de pessoas deixaram a Ucrânia. O país tem sofrido bombardeios em cidades e instalações militares e civis pelas forças da Rússia.

O deputado gravou o áudio na Ucrânia, para onde viajou para entregar cerca de R$ 150 mil arrecadados para ajudar as vítimas da guerra. “Porém, o que nas redes sociais foi anunciado como uma viagem solidária do bondoso deputado se tornou uma exposição para que o referido parlamentar, encarando as vítimas do sexo feminino como objetos expostos numa vitrine de sex shop, pudesse se aproveitar da fragilidade das mulheres ucranianas, todas muito abaladas e vulneradas devido ao momento de massacre físico e psicológico a que estão expostas”, diz trecho da representação contra o deputado.

Do Val retornou ao Brasil, neste sábado (5), e publicou um vídeo de desculpas em que define a si mesmo como “moleque”. As falas do deputado repercutiram negativamente assim que se tornaram públicas. Neste sábado, o deputado anunciou sua desistência de concorrer ao Governo de São Paulo pelo seu partido, o Podemos.

Veja a íntegra do pedido de cassação

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO, DEPUTADO CARLÃO PIGNATARI

ALTAIR MORAES DE OLIVEIRA, GILMACI SANTOS, WELLINGTON MOURA, JORGE WILSON, EDNA MACEDO, SEBASTIÃO SANTOS E DOUGLAS GARCIA, parlamentares, membros do REPUBLICANOS, vêm, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, com esteio no art. 55, II e § 2º da Constituição Federal, combinados com os arts. 4º, 5º e 11, inciso II do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Assembleia Legislativa, expor à apreciação de Vossa Excelência a presente

REPRESENTAÇÃO
em desfavor do Deputado Estadual ARTHUR DO VAL (Podemos), para o que requer seja recebida e encaminhada ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar desta Casa, conforme determina o art. 14 do diploma Parlamentar, pelas razões que passa a expor.

I - DOS FATOS
O Excelentíssimo Deputado Arthur do Val, conhecido popularmente como “Mamãe Falei”, organizou, juntamente com outros integrantes de seu grupo denominado Movimento Brasil Livre (MBL), uma campanha de doação de recursos para ajuda às diversas vítimas da invasão russa na Ucrânia.

Conforme amplamente divulgado em suas redes sociais, o parlamentar conseguiu arrecadar cerca de 150 mil reais e viajou ao país europeu para entrega dos recursos às vítimas.
Porém, o que nas redes sociais foi anunciado como uma viagem solidária do bondoso deputado se tornou uma exposição para que o referido parlamentar, encarando as vítimas do sexo feminino como objetos expostos numa vitrine de sex shop, pudesse se aproveitar da fragilidade das mulheres ucranianas, todas muito abaladas e vulneradas devido ao momento de massacre físico e psicológico a que estão expostas.

Em um áudio enviado a colegas de MBL e vazado na internet, o deputado disse em tom jocoso, debochado e machista:
“nunca vi nada parecido em termos de mina bonita”;
“a fila das refugiadas (...) de 200m só tem deusa”;
“é fora de série”;
“nem a fila da melhor balada no Brasil, na melhor época do ano, não chega aos pés da fila das refugiadas aqui”;
“o Renan faz o tour de blonde, ele faz viagens só para pegar loira”;
“as cidades mais pobres são as melhores”;
“não peguei ninguém, mas só a sensação de sentir o que eu poderia fazer (...) eu já comprei minha passagem para o leste europeu para o ano que vem”;
“detalhe, elas olham e vou te dizer, elas são fáceis porque são pobres”;
“não peguei ninguém mas colei em dois grupos de mina e é inacreditável a facilidade”;
“essas minas (bonitas) em São Paulo iam cuspir na tua cara, mas aqui elas olham”.

Chegando ao Brasil o deputado disse que não foi isso o que quis dizer e que o áudio é privado e foi enviado a um grupo de amigos.

É certo que o tratamento dado às mulheres ucranianas, sejam refugiadas ou policiais, pelo Deputado que viajou sob o pretexto de prestar auxílio humanitário, é inaceitável. O parlamentar se mostrou um verdadeiro predador de mulheres abaladas e fragilizadas. Não há nada de humanitário nisso!

E mais, cremos que é devida a apresentação, por parte do Deputado, dos comprovantes da efetiva entrega das doações recolhidas sob o pretexto humanitário. Os recursos utilizados para a viagem do parlamentar e de Renan, coordenador do MBL, o qual o próprio cita em seu áudio como praticante do “tour de blonde”, foram próprios ou eles se utilizaram das doações?

II- DO REQUERIMENTO
Diante do exposto, pelas declarações machistas, sexistas, debochadas e desumanas proferidas pelo Deputado Arthur do Val, requer-se ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar:
a) a admissão da presente Representação, para seu processamento e julgamento pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar desta Augusta Casa de leis;
b) a notificação do Representado para o exercício da ampla defesa e contraditório; 
c) a aprovação do parecer no sentido da aplicação da pena de cassação do mandato do Deputado Arthur do Val;
d) a remessa das cópias desta ao Ministério Público do Estado de São Paulo.
Nos termos expressos, pede e aguarda deferimento.

São Paulo, 05 de março de 2022

Últimas