Brasília Bolsonaro afirma que Dom Phillips, desaparecido no AM, era 'malvisto'

Bolsonaro afirma que Dom Phillips, desaparecido no AM, era 'malvisto'

Presidente reconheceu que governo não tem tido sucesso na busca por Bruno Pereira e Dom Phillips, sumidos desde o último dia 5

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Pereira

Jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Pereira

Redes sociais/Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quarta-feira (15) que o jornalista britânico Dom Phillips, desaparecido na região amazônica com o indigenista Bruno Pereira, era "malvisto" por escrever reportagens contra garimpeiros e que deveria ter "redobrado a atenção". Dom e Bruno estão desaparecidos desde o dia 5 no Vale do Javari, no Amazonas.

"Porque fazia muita matéria contra garimpeiro, questão ambiental. Muita gente não gostava dele. Ele tinha que ter mais que redobrado a atenção para consigo próprio e resolveu fazer uma excursão. Lá tem pirata no rio. Tudo o que se possa imaginar lá", afirmou, em entrevista a Leda Nagle.

Pereira é servidor da Funai, e Phillips é colaborador do jornal The Guardian. Eles foram vistos pela última vez no Vale do Javari, após partirem em uma lancha com destino à cidade amazonense de Atalaia do Norte.

Bolsonaro disse ainda que, caso o indigenista e o jornalista tenham sido assassinados, os corpos estão dentro da água. "Pelo que tudo indica, se mataram os dois, se mataram, e eu espero que não, estão dentro da água. E dentro da água pouca coisa vai sobrar. Peixe come, não sei se tem piranha lá", destacou.

O chefe do Executivo admitiu que o governo não tem tido sucesso nas buscas pelos desaparecidos. "Os dois resolveram entrar numa área completamente inóspita, sozinhos, sem segurança, e aconteceu problema. Desde o primeiro dia estamos buscando essas pessoas lá na região e não estamos tendo sucesso", reconheceu.

Traficante

A Polícia Federal investiga a ligação de um traficante internacional com o desaparecimento do jornalista e do indigenista. Depois da prisão de dois suspeitos, os policiais apuram a participação de pelo menos mais duas pessoas. Uma delas, que seria o mandante, é um traficante de cocaína com forte atuação na rota entre Brasil e Peru.

Com o primeiro detido, Amarildo da Costa de Oliveira, conhecido como Pelado, uma arma de fogo de uso restrito e uma pequena porção da droga foram encontradas. Nesta terça-feira (14), também foi preso Oseney da Costa de Oliveira, chamado de "dos Santos".

Embaixador pede desculpas após erro

O embaixador do Brasil no Reino Unido, Fred Arruda, pediu desculpas à família do jornalista Dom Phillips após a embaixada ter afirmado que o corpo dele e o do indigenista Bruno Araújo haviam sido encontrados na Amazônia. A informação foi desmentida pouco depois pela Polícia Federal. Os dois profissionais seguem desaparecidos desde o dia 5 deste mês.

De acordo com o jornal The Guardian, Fred enviou à família de Phillips uma mensagem em que se desculpava. O irmão e a cunhada do jornalista receberam de um funcionário da embaixada um telefonema com a informação de que os corpos dos profissionais tinham sido encontrados e estavam amarrados em uma árvore.

Últimas