Brasília Bolsonaro afirma que pretende voltar ao Brasil ainda em março

Bolsonaro afirma que pretende voltar ao Brasil ainda em março

Ex-presidente também saiu em defesa das investigações dos atos de 8 de janeiro, data da invasão às sedes dos Três Poderes

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Ex-presidente Jair Bolsonaro durante discurso na Cpac, nos Estados Unidos

Ex-presidente Jair Bolsonaro durante discurso na Cpac, nos Estados Unidos

Reprodução Youtube CPAC

Nos Estados Unidos desde dezembro de 2022, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) informou que deve retornar para o Brasil ainda em março, mas não deu detalhes de sua volta ao país. A declaração foi dada para a NBC, rede de televisão americana, no último sábado (4), após ele ter participado de uma conferência da direita conservadora.

"Pretendo ir ao Brasil neste mês ainda", afirmou Bolsonaro. Na entrevista, o ex-presidente saiu em defesa das investigações dos atos de 8 de janeiro, data da invasão de extremistas dos prédios dos Três Poderes, em Brasília. "Eu não era presidente e estava fora do Brasil. Nós queremos apurar o ocorrido, onde [sic] o atual presidente não quer apurar. Estamos lutando por investigações", completou.

De acordo com Bolsonaro, "o nosso pessoal" — em referência aos seus apoiadores — jamais faria parte das manifestações. "Cada vez mais, nós temos certeza de que foram pessoas de esquerda que programaram aquilo tudo". O ex-presidente acrescentou que, ao longo de seu mandato, os atos da direita foram todos "pacíficos".

Bolsonaro viajou para os Estados Unidos com sua esposa, Michelle, e a filha, Laura, de 12 anos, um dia antes de terminar o mandato, em 30 de dezembro. Ele optou por sair do país e não participar da cerimônia de posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que ocorreu em 1º de janeiro.

Navios iranianos

Antes da entrevista, Bolsonaro participou da Conferência de Ação Política Conservadora (Cpac, na sigla em inglês), em National Harbor, Maryland, próximo a Washington, capital dos Estados Unidos. No evento, o ex-presidente afirmou que, se estivesse no comando do Brasil, "não teria esse problema", em relação aos navios de guerra iranianos atracados no porto do Rio de Janeiro. "Somos um país de paz", disse Bolsonaro.

Anteriormente, o ex-presidente falava sobre a Amazônia e convidou a plateia do maior evento conservador dos EUA a conhecer a região. "Vão conhecer como ela é, não como a imprensa pinta", ressaltou.

Em 23 de fevereiro, a Marinha do Brasil autorizou dois navios de guerra iranianos a atracar no porto do Rio de Janeiro. Concedida pelo vice-chefe do Estado-Maior da Armada, Carlos Eduardo Horta Arentz, a autorização contraria solicitação dos Estados Unidos para que não fosse permitida a entrada das embarcações militares em território brasileiro.

A embaixada americana no Brasil declarou preocupação por parte dos Estados Unidos com a presença no país e afirmou que, no passado, os navios iranianos facilitaram ações terroristas e comércio ilícito na região. Em entrevista a jornalistas em Brasília, a embaixadora Elizabeth Bagley afirmou que, apesar da soberania do Brasil em decidir, "nenhum país" deveria autorizar a ancoragem das embarcações.

O governo israelense divulgou uma nota na última quinta-feira (2) na qual classificou a autorização brasileira de "perigosa e lamentável" e sugeriu que o governo reavaliasse a decisão.

A movimentação das embarcações iranianas vem causando atrito na relação Brasil-Estados Unidos desde a decisão do governo brasileiro de adiar a ancoragem de ambos os navios no país, um dia antes da viagem de Lula para encontrar o presidente americano, Joe Biden.

Últimas