Brasília CNJ investiga desembargador que disse que Paraná tem nível cultural superior a Norte e Nordeste

CNJ investiga desembargador que disse que Paraná tem nível cultural superior a Norte e Nordeste

Corregedor nacional determinou a abertura de reclamação disciplinar contra o desembargador Mário Helton Jorge

  • Brasília | Gabriela Coelho, do R7, em Brasília

Desembargador do Tribunal de Justiça do Paraná Mário Helton Jorge

Desembargador do Tribunal de Justiça do Paraná Mário Helton Jorge

TJPR/Reprodução - 14/4/2023

O corregedor nacional de Justiça, ministro Luis Felipe Salomão, determinou a abertura de reclamação disciplinar contra o desembargador Mário Helton Jorge, do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), para apurar a conduta do magistrado durante sessão de julgamento on-line da 2ª Câmara Criminal, na última quinta-feira (13).

O desembargador, ao externar incômodo em relação à Operação Lava Jato, ao Petrolão e ao Mensalão, afirmou: “porque é uma roubalheira generalizada. E isso no Paraná, que é um estado que tem um nível cultural superior ao Norte do país, ao Nordeste, etc. É um país que não tem esse jogo político dos outros estados. Aqui no Paraná, é uma vergonha (Sic)”.

Na decisão que determinou a abertura do processo, o corregedor nacional destacou que a manifestação feita pelo desembargador do Paraná foi proferida fora de qualquer contexto referente ao caso julgado e que o conteúdo pode ter conotação preconceituosa e xenofóbica. O ministro Salomão também determinou que sejam prestadas informações no prazo de 15 dias.

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil-PR afirma que os termos usados pelo desembargador são "incompatíveis com o senso de justiça e igualdade que se espera dos magistrados".

Leia também: Lula entrega ao Congresso projeto com novas regras fiscais para o país

O TJ-PR, também em nota, esclareceu que não apoia comentários feitos pelo desembargador.

"O Tribunal reitera que não compartilha de qualquer afirmativa que possa ser discriminatória ou depreciativa, como, aliás, é próprio de sua tradição e história de mais de 131 anos."

Em nota pública, o magistrado já reconheceu a inadequação de suas manifestações, apresentando desculpas. 

Últimas