Brasília CPI diz ter evidências de que motoboy pagou contas de Dias

CPI diz ter evidências de que motoboy pagou contas de Dias

Dinheiro usado seria da empresa Voetur, que é do mesmo grupo da VTCLog, empresa de logística alvo da comissão

  • Brasília | Sarah Teófilo, do R7, em Brasília

Motoboy Ivanildo Gonçalves foi filmado fazendo pagamentos em uma agência do Bradesco em Brasília (DF)

Motoboy Ivanildo Gonçalves foi filmado fazendo pagamentos em uma agência do Bradesco em Brasília (DF)

Foto: Reprodução/Senado Federal

Durante a sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 nesta terça-feira (31), senadores disseram que o motoboy Ivanildo Gonçalves, funcionário da empresa de logística VTCLog, teria pago contas do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias. O valor seria da empresa Voetur, do mesmo grupo da VTCLog. As informações foram divulgadas pelo relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AP), e pelo vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Calheiros chegou a apresentar vídeo do circuito interno da agência bancária, em Brasília, no qual aparece o motoboy, que iria presta depoimento nesta terça-feira (31), mas foi desobrigado após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Nunes Marques. Ivanildo Gonçalves foi convocado depois que um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) mostrou que ele fez saques em espécie de quantias milionárias da conta da VTCLog. Roberto Dias, que teria tido contas pagas pelo motoboy, se tornou alvo da comissão após denúncia de que ele teria pedido propina de US$ 1 por dose de vacina contra Covid-19 para fechar um negócio de venda de 400 milhões de doses.

"Acabamos de receber indícios veementes de que era o próprio Ivanildo, o motoboy, que pagava os boletos de dívidas junto à Voetur do Roberto Ferreira Dias", afirmou Calheiros. O senador disse ainda que os pagamentos feitos no ano passado somariam R$ 47 mil e que eles foram realizados no momento em que o motoboy estava no banco.

A comissão suspeitou de Dias depois de observar ausência de pagamentos feitos pela conta do ex-diretor de Logística. Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que, no dia 22 de junho, houve a entrada do motoboy em uma agência bancária do Bradesco e, na mesma data, um depósito de R$ 6 mil em favor de Dias. No dia 31 de maio, mais um depósito com o mesmo valor, e no dia 24, outro depósito em favor do ex-funcionário do Ministério da Saúde, no valor de R$ 13,5 mil.

Calheiros ressaltou que o motoboy, cuja convocação foi aprovada novamente nesta terça-feira (31), não cometeu qualquer crime. "Ele pagou, recebeu, depositou, mas cumprindo ordens de alguém", explicou. Em meio as discussão na sessão, que não teve oitiva, os senadores frisaram a importância de a comissão, na reta final dos trabalhos, ir atrás de mais informações sobre a VTCLog.

"Esta CPI não pode concluir seus trabalhos sem antes fazer uma investigação profunda sobre essa empresa VTCLog", afirmou Humberto Costa (PT-PE).

Últimas