Brasília CPI pede acesso ao prontuário completo de Anthony Wong 

CPI pede acesso ao prontuário completo de Anthony Wong 

Senadores também querem acesso ao prontuário de Regina Hang, mãe do empresário Luciano Hang

  • Brasília | Sarah Teófilo, do R7, em Brasília

O médico Anthony Wong morreu em fevereiro de Covid-19 aos 73 anos

O médico Anthony Wong morreu em fevereiro de Covid-19 aos 73 anos

Reprodução/Record TV

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 aprovou nesta quarta-feira (22) um requerimento de requisição do prontuário completo do pediatra e toxicologista Anthony Wong, que morreu aos 73 anos em fevereiro deste ano. A CPI quer ver também o prontuário de Regina Hang, mãe do empresário Luciano Hang. Ambos morreram em unidades de saúde da operadora Prevent Senior, em São Paulo.

A CPI recebeu informações que mostram que a certidão de óbito de Wong indicaria, como causas do óbito, choque séptico, pneumonia, hemorragia digestiva alta e diabetes, sem indicar a Covid-19. Na época da morte de Wong, foi divulgado que ele foi internado com quadro de queda de pressão e mal-estar, e que  foi diagnosticado com úlcera gástrica e hemorragia digestiva. Entretanto, Wong teria dado entrada no hospital com diagnóstico positivo para Covid-19, no dia 17 de novembro do ano passado, e com sintomas como febre e tosse.

O médico era um dos defensores de medicamentos do chamado ‘tratamento precoce’, como a cloroquina. Ele também criticava o isolamento social como uma das medidas para evitar a disseminação do vírus da Covid. Informações levadas à CPI apontam, ainda, que Wong teria feito uso de medicamentos do tratamento precoce.

No caso de Luciano Hang, ele também é um defensor do tratamento refutado pela comunidade científica. A CPI recebeu informações de que a declaração de óbito de Regina Modesti Hang, mãe do empresário, teria sido fraudada, omitindo a Covid-19. A idosa morreu em decorrência de complicações causadas pela Covid, como publicizado na época por Hang.

Como revelado pelo R7, a comissão também recebeu informações de que Regina fez uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19, como cloroquina, antes de morrer. A informação diverge do que foi divulgado por Luciano Hang na época da morte da mãe, aos 82 anos, em fevereiro deste ano.

Na ocasião, o empresário fez um vídeo defendendo o chamado "tratamento preventivo" e refletindo sobre o que mais poderia ter feito por sua mãe. Segundo ele,  Regina Hang foi levada ao hospital quando já estava com quase 95% do pulmão comprometido. "Ela estava assintomática e quando nós pegamos foi muito tarde. Eu me questiono: será que se eu tivesse feito o tratamento preventivo eu não teria salvado a minha mãe?", questionou.

Em depoimento nesta quarta-feira (22), o diretor-executivo da operadora de saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, se negou a falar sobre os dois pacientes, afirmando que não tinha autorização por parte dos familiares. Quando o senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP) mostrou um dos prontuários, ele disse que o documento não estava completo, mas não quis fazer mais nenhum comentário.

Últimas