Brasília De saída da Petrobras, Silva e Luna diz que estatal não pode fazer política partidária

De saída da Petrobras, Silva e Luna diz que estatal não pode fazer política partidária

Para general, que será substituído, empresa 'não tem lugar para aventureiros' e não compete a ela fazer políticas públicas 

  • Brasília | Bruna Lima, do R7, em Brasília

Silva e Luna disse que não há espaço para 'aventureiros' na Petrobras

Silva e Luna disse que não há espaço para 'aventureiros' na Petrobras

Adriano Machado/Reuters

De saída da liderança da Petrobras, o general Joaquim Silva e Luna aproveitou o espaço de uma palestra no Superior Tribunal Militar, nesta terça-feira (29), para defender a gestão e decisões adotadas pela estatal, alvo de críticas por parte do governo em razão dos sucessivos repasses dos aumentos dos combustíveis ao consumidor.

O general argumentou que não cabe à Petrobras segurar artificialmente os preços e que precisa seguir o movimento do mercado, mesmo que, como estatal, precise contribuir socialmente. "Tem responsabilidade social? Tem. Pode fazer política pública? Não. Muito menos política partidária", declarou.

Segundo Luna, a Petrobras não é um monopólio e concorre com mais de 80 empresas no Brasil. Por isso, alegou que a empresa precisa praticar preço de mercado, conforme a legislação vigente. "É a aplicação de preços de mercado que garante o abastecimento nacional de combustíveis. Se não tiver preço competitivo, ninguém vai importar mais caro para vender mais barato no país e vai faltar combustível", sustentou. 

Além de argumentar que a empresa, por lei, não tem como responsabilidade a promoção de políticas públicas, o militar aproveitou para defender a gestão da estatal. 

"[A Petrobras] está bem cuidada, com governança muito forte, não tem lugar para aventureiro, não cabe", discursou. Quem deverá suceder o general é o especialista em energia Adriano Pires, sócio-fundador da consultoria Centro Brasileiro de Infra Estrutura (CBIE). Sem mencionar a troca, Silva e Luna afirmou que "uma andorinha só não faz verão" e que as decisões tomadas são coletivas e passam por várias instâncias e crivos. 

Bolsonaro se decidiu pela demissão em razão do desgaste provocado pelas sucessivas altas nos preços dos derivados de petróleo. A interlocutores, mostrou insatisfação quanto à atuação de Silva e Luna para tentar segurar as altas. Apesar da decisão do mandatário, a troca ainda precisa ser confirmada por assembleia de acionistas, marcada para 13 de abril.

O general ainda disse que a empresa demorou para repassar o aumento em razão dos reflexos da guerra entre a Ucrânia e a Rússia, mas que o reajuste foi inevitável. "A gente teve um crescimento [no preço do barril de petróleo] permanente, não havia um patamar de estabilidade. Chegou a um ponto em que estava U$ 137 o valor do barril, enquanto a referência anterior era de U$ 82. Tivemos que conversar, estabelecer um aumento. Na época, era metade do valor, enquanto se estabiliza para ver em que patamar iria ficar."

A defesa também se estendeu à transparência em relação às condutas da Petrobras. Luna disse que a empresa é monitorada por mais de duas dezenas de órgãos de controle nacionais e internacionais. "Talvez seja o órgão mais controlado do mundo." 

Ao ser confrontado, no fim da palestra, sobre os lucros bilionários da Petrobras em um momento de crise econômica brasileira, o general se irritou e, afirmando já ter dado as respostas ao longo da fala, disse: "O senhor estava presente desde o começo da palestra? Então dormiu, porque eu respondi todas as perguntas", rebateu. Após a indisposição, a participação de Luna foi encerrada, sem mais perguntas. 

Últimas