Brasília Depois de morte na Papuda, Moraes soltou ao menos 11 envolvidos no 8 de Janeiro

Depois de morte na Papuda, Moraes soltou ao menos 11 envolvidos no 8 de Janeiro

No mesmo dia em que Cleriston Cunha morreu, no último dia 20, o ministro do STF requisitou informações detalhadas sobre o caso

  • Brasília | Gabriela Coelho, do R7, em Brasília

Moraes impôs uso de tornozeleira 24 horas por dia

Moraes impôs uso de tornozeleira 24 horas por dia

Alejandro Zambrana/Secom/TSE - 20/6/2023

Após a morte de Cleriston Pereira da Cunha, um dos presos provisórios em razão dos atos extremistas do 8 de Janeiro, na Penitenciária da Papuda, em Brasília, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes mandou soltar pelo menos 11 réus. Todos eles tiveram pareceres favoráveis da Procuradoria-Geral da República (PGR) pela revogação das prisões preventivas.

Os réus estão proibidos de se ausentar das comarcas onde moram, têm que ficar em casa à noite, usar tornozeleira eletrônica 24 horas por dia e entregar o passaporte. Além disso, tiveram suspensos documentos de porte de arma de fogo.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

No mesmo dia da morte de Cleriston Cunha, em 20 de novembro, em decorrência de mal súbito durante um banho de sol, Moraes requisitou informações detalhadas sobre o caso. O ministro requisitou também cópia do prontuário e relatório médico dos atendimentos recebidos pelo interno durante a custódia.

O R7 teve acesso a um parecer da PGR, do dia 1º de setembro, em que foi recomendada a liberdade provisória do réu por ter adquirido comorbidades pós-Covid-19.

Os réus são acusados de cinco crimes:
• abolição violenta do Estado democrático de Direito;
• associação criminosa armada;
• dano qualificado;
• deterioração de patrimônio tombado; e
• tentativa de golpe de Estado.

Últimas