Brasília Em evento no Nordeste, Bolsonaro ignora crise com Milton Ribeiro

Em evento no Nordeste, Bolsonaro ignora crise com Milton Ribeiro

Ministro da Educação afirmou que o governo federal deve priorizar pedidos de liberação de recursos feitos por dois pastores

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro

Anderson Riedel/PR - Arquivo

O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou, nesta quarta-feira (23), de um evento militar no Recife (PE). Em seu discurso, elogiou decisões tomadas pelo comando do Exército e ignorou a crise que envolve o ministro Milton Ribeiro, alvo de pedidos de renúncia.

"Hoje [estou] retornando mais uma vez a Pernambuco, ao nosso Nordeste, a grata satisfação como chefe supremo das Forças Armadas em inaugurar as obras de uma grande e única escola de formação de sargentos do Exército. Aqui juntam-se 13 escolas e 15 cursos do Brasil", disse.

Bolsonaro participou da cerimônia de lançamento da pedra fundamental da nova Escola de Sargentos do Exército no Recife. Em seu discurso, afirmou que a escolha do local foi apresentada pelo comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. Os estados do Paraná e do Rio Grande do Sul também estavam no páreo.

"A escolha foi técnica, e, assim sendo, voltando aqui aos berços do Exército Brasileiro, que data de 1648, a formação dos novos sargentos, bem como o curso de aperfeiçoamento dos mesmos. Ganha o Nordeste, ganha o Exército, e, mais do que tudo, ganha o nosso Brasil com essa escola, que nasce com tudo para ser uma das melhores do mundo", completou.

O evento foi encerrado, e Bolsonaro não discursou sobre a polêmica que envolve Ribeiro, ministro da Educação. Durante uma reunião no ministério, o titular afirmou que o governo federal prioriza prefeituras cujos pedidos de liberação de verba foram negociados por dois pastores (Gilmar Santos e Arilton Moura) que não têm cargo no Executivo, nem no Legislativo, nem no Judiciário.

"Porque a minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, em segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar. Porque foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão de Gilmar. Apoio. Então o apoio que a gente pede não é segredo, isso pode ser [inaudível] é apoio sobre construção das igrejas", disse Ribeiro, em áudio revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

Desde então, parlamentares acionaram instituições como a PGR (Procuradoria-Geral da República) e o TCU (Tribunal de Contas da União) para que analisem as denúncias. Outros já pedem que o ministro renuncie ao cargo. Em nota, Ribeiro blindou Bolsonaro e negou liberação de recursos.

"Não há nenhuma possibilidade de o ministro determinar alocação de recursos para favorecer ou desfavorecer qualquer município ou estado. Registro ainda que o presidente da República não pediu atendimento preferencial a ninguém, solicitou apenas que pudesse receber todos que nos procurassem, inclusive as pessoas citadas na reportagem", escreveu Ribeiro em nota pública.

Últimas