Brasília Haddad culpa patamar 'muito elevado' do juro real pela queda da prévia do PIB em maio

Haddad culpa patamar 'muito elevado' do juro real pela queda da prévia do PIB em maio

Ministro afirma que o resultado do IBC-Br, divulgado nesta segunda (17), foi 'como o esperado'

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Para Haddad, o resultado foi 'esperado'

Para Haddad, o resultado foi 'esperado'

Fabio Rodrigues-Pozzebom / Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira (17) que o resultado do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) foi "como o esperado" diante do patamar "muito elevado" do juro real. O ministro disse estar preocupado com a situação e que a desaceleração da economia pelo Banco Central (BC), responsável por controlar a taxa Selic, "chegou forte".

De acordo com a divulgação do BC desta segunda-feira, a economia brasileira apresentou uma forte contração em maio. O IBC-Br, que mede a evolução da atividade econômica no Brasil e é considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB) do mês, caiu 2%.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram

Haddad relatou também que a pasta tem recebido retorno de prefeitos e governadores sobre a arrecadação. "A gente precisa ter muita cautela com o que pode acontecer se as taxas forem mantidas na casa de R$ 10 o juro real ao ano; é muito pesado para a economia."

Governo tem pressionado para a queda na taxa de juros
Governo tem pressionado para a queda na taxa de juros Arte/R7

Críticas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reforçou as críticas ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, pelo fato de o órgão não baixar a taxa básica de juros da economia, a Selic, hoje em 13,75% ao ano. Segundo ele, o chefe do BC “parece que não entende absolutamente nada de país, nada de povo, não tem sentimento com o sofrimento do povo”.

“Ele mantém a taxa de juros [em 13,75%] para atender ao interesse de quem? A quem esse cidadão está servindo neste momento? Não existe, hoje, nenhuma explicação econômica, sociológica, filosófica, o que você quiser pensar, para que a taxa de juros esteja a 13,75%”, declarou Lula em entrevista a uma rádio do Rio Grande do Sul no dia 29 de junho.

Últimas