Brasília Hospitais do DF terão de fazer identificações com cores que atendam daltônicos

Hospitais do DF terão de fazer identificações com cores que atendam daltônicos

Unidades públicas e privadas deverão identificar alas e pulseiras também com alguma sinalização numérica ou tipo de código

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Daltônicos têm dificuldades de diferenciar algumas cores, sobretudo, os tons verde e vermelho

Daltônicos têm dificuldades de diferenciar algumas cores, sobretudo, os tons verde e vermelho

Renato Alves/Agência Brasília

Hospitais públicos e privados do Distrito Federal deverão alterar a orientação por cores para garantir a autonomia de pacientes daltônicos que têm dificuldades de diferenciar alguns tons, sobretudo, verde e vermelho. A mudança começou a valer nesta terça-feira (24), dia em que a Lei 7.144/22 foi publicada no Diário Oficial do DF.

De acordo com a medida, as unidades terão de identificar alas e pulseiras não apenas pela cor, mas também com alguma sinalização numérica ou tipo de código. Segundo o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Pedro Zancanaro, a lei representa uma medida de acessibilidade.

"Tudo que a gente puder fazer para facilitar a vida das pessoas que tenham quaisquer restrições, faremos. Quanto mais acessível o sistema de saúde estiver, mais inclusivo ele é", pontuou Zancanaro.

LEIA TAMBÉM: Ibaneis promete hospital oncológico no Distrito Federal para 2024

Daltonismo

O daltonismo é uma denominação popular para discromatopsia ou discromopsia. Trata-se de distúrbio de visão caracterizada pela ausência total ou parcial de células do tipo cones na retina. A condição é hereditária e genética.

Segundo o secretário adjunto, a pessoa com essa condição geralmente aprende a conviver com o problema. “Um exemplo clássico que mostra essa adaptação dos daltônicos é eles entenderem os semáforos do trânsito”, conclui Pedro Zancanaro.

Últimas