Brasília Leite e Tebet se reúnem para discutir aliança para a eleição

Leite e Tebet se reúnem para discutir aliança para a eleição

Ex-governador do Rio Grande do Sul conversou com senadora dias depois de cogitar ser vice dela na corrida ao Palácio do Planalto

  • Brasília | Augusto Fernandes e Sarah Teófilo, do R7, em Brasília

A senadora Simone Tebet e o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite

A senadora Simone Tebet e o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite

Augusto Fernandes/R7

O ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB) e a senadora Simone Tebet (MDB-MS) tiveram uma reunião nesta quarta-feira (6) para discutir a possibilidade de formarem uma aliança para concorrer na eleição presidencial deste ano.

Nesta semana, Leite cogitou ser o vice na chapa de Tebet, que é pré-candidata do MDB ao Palácio do Planalto. De acordo com o ex-governador, “Tebet é, neste momento, uma protagonista desse processo”, e o encontro desta quarta serviu para que os dois alinhassem os planos que têm para o futuro e qual agenda pretendem apresentar ao eleitorado ao longo do ano.

“A gente tem que discutir um projeto próprio, a agenda, onde a gente converge, quais são as pautas que têm que ser trazidas. No momento certo, os partidos vão entender, sob a liderança dos presidentes do partido, quem é que vai capitanear esse projeto para poder ajudar a furar uma polarização que é excludente, divide o país e não permite que a gente se desprenda do passado e de um presente ruins em favor de um futuro”, disse Leite, à imprensa.

Em novembro do ano passado, Leite disputou contra o ex-governador de São Paulo João Doria e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto as prévias do PSDB que definiram quem seria o candidato do partido na eleição presidencial. Doria foi o vencedor, mas a candidatura dele ainda não é certa, por causa do desempenho nas pesquisas eleitorais.

Dessa forma, o nome de Leite ainda é cogitado dentro do PSDB. Contudo, como o martelo ainda não foi batido pelos tucanos, o ex-governador começou a ter reuniões com possíveis candidatos ao Planalto, como Tebet e o ex-juiz Sergio Moro, para discutir eventuais chapas para concorrer à Presidência.

“É sempre importante que a gente trabalhe sobre o projeto antes das pessoas. Porque, se não houver convergência de projeto, qual é a agenda que nos une, na qual nós temos convergência, fica difícil promover união em torno das pessoas”, comentou.

“Qual é a agenda para economia, qual é a agenda para combater a inflação, para gerar emprego, para o país retomar credibilidade, qual é a agenda do meio ambiente. O que as candidaturas têm? Convergimos? Bom, então vamos entender quem é que melhor pode capitanear esse projeto comum”, acrescentou.

Leite destacou que é fundamental construir uma chapa capaz de romper a polarização entre o presidente Jair Bolsonaro, pré-candidato do PL, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do PT. Segundo o ex-governador, essa chapa alternativa precisa ser classificada como primeira via, e não mais como terceira via.

“A primeira via tem que ser a da conciliação, da busca pela convergência. Não dá para aceitar que seja a terceira em relação às outras duas, que são excludentes, divisivas, que dividem o país. Então, para mim, a primeira via do Brasil é essa que busca o entendimento.”

De todo modo, ele frisou que qualquer decisão caberá aos dirigentes das legendas. “Nós estamos conversando, mas a definição não é nossa. É dos nossos partidos, é das lideranças políticas. A gente vai buscar esse entendimento”, observou Leite.

Últimas