Brasília Lula defende Venezuela sob Maduro: 'Brasil vai restabelecer relações diplomáticas'

Lula defende Venezuela sob Maduro: 'Brasil vai restabelecer relações diplomáticas'

Ditador venezuelano, porém, recuou e cancelou encontro com petista; reunião estava prevista para a tarde desta segunda (23)

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Nicolás Maduro, ditador da Venezuela, e Lula, presidente do Brasil

Nicolás Maduro, ditador da Venezuela, e Lula, presidente do Brasil

EFE/Miguel Gutiérrez - 12.01.2023 e AFP/Evaristo Costa - 12.12.2022

Durante viagem à Argentina, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu a Venezuela sob o comando do ditador Nicolás Maduro. "O Brasil vai restabelecer relações diplomáticas com a Venezuela. Nós queremos que ela tenha embaixada no Brasil e que o Brasil tenha embaixada na Venezuela. Vamos restabelecer a relação civilizada entre dois estados autônomos, livres e independentes", afirmou Lula.

"O problema da Venezuela a gente vai resolver com diálogo, não com bloqueio. A gente vai resolver com diálogo e não com ameaça de ocupação. A gente vai resolver com diálogo, não com ofensas pessoais", completou.

As declarações foram dadas pelo presidente brasileiro durante coletiva de imprensa realizada em Buenos Aires, na Argentina, ao lado do presidente Alberto Fernández. De acordo com Lula, a Venezuela "vai voltar a ser tratada normalmente, como todos os países querem ser tratados". "O que eu quero para o Brasil, eu quero para a Venezuela. Respeito a minha soberania e a autodeterminação do meu povo."

Lula ainda criticou o ex-presidente interino da Venezula Juan Guaidó. "Eu vejo muita gente pedindo compreensão a Maduro, e essas pessoas esquecem que eles fizeram uma coisa abominável para a democracia, que foi reconhecer um cara que não era presidente, não foi eleito, que foi Guaidó. Esse cidadão ficou vários meses exercendo o papel de presidente sem ser o presidente. E eu fico me perguntando: quem é que está errado?", disse.

Encontro

O ditador e presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, recuou e cancelou o encontro com Lula, informou o governo. A reunião estava prevista para ocorrer às 16h desta segunda-feira (23), em Buenos Aires, na Argentina. Mais cedo, a agenda oficial da Presidência da República do Brasil havia confirmado o encontro.

Como mostrou o R7, o governo federal vinha articulando o encontro entre Lula e Maduro durante a 7ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). O Brasil retornou ao bloco, composto de 32 países, dois anos após a gestão anterior, do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), ter se retirado da organização.

Procurado, o Palácio do Planalto não se manifestou.

Relação com a Venezuela

undefined

Recentemente, o governo federal iniciou o processo para reabrir a Embaixada do Brasil na Venezuela, fechada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). A missão é liderada pelo embaixador Flávio Macieira.

"O envio da missão reflete a decisão do governo brasileiro de normalizar as relações bilaterais, para permitir a retomada de tratativas com o governo venezuelano sobre os diversos temas que compõem a agenda entre os dois países", diz o Itamaraty.

"O diálogo com a Venezuela, país com o qual o Brasil compartilha laços históricos de amizade e de cooperação, além de extensa fronteira, é fundamental não apenas para o adequado seguimento da pauta bilateral, mas também para a revitalização da integração", completa.

Últimas