Brasília Menina de 2 anos passa por procedimento após grudar olho com cola instantânea no DF

Menina de 2 anos passa por procedimento após grudar olho com cola instantânea no DF

Acidente com a criança aconteceu na quinta-feira (16) em Ceilândia; preocupação da família é que visão tenha sido prejudicada

  • Brasília | Jéssica Moura, do R7, em Brasília

Criança com olho colado

Criança com olho colado

Reprodução

A pequena Sofia Gabriele, de 2 anos, precisou passar por um procedimento na manhã desta terça-feira (21) após ter os olhos e os dedos grudados com uma cola instantânea. O acidente com a menina aconteceu na última quinta-feira (16) em Ceilândia, no Distrito Federal. 

A madrinha da menina, Lia Lucena, detalhou que Sofia estava em casa com a mãe quando conseguiu pegar a cola e passar no rosto. O Samu chegou a ser acionado para socorrer a criança, mas informou que a menina deveria ser levada ao Hospital de Base. Lia foi quem acompanhou a mãe e a criança até a unidade de saúde e contou que Sofia chorou muito durante o trajeto.

"Entrou em desespero porque os dedos também grudaram. Aí começou todo processo, a via crucis", resumiu.  Segundo ela, quando chegaram ao hospital, a oftalmologista teria informado que não poderia fazer nada naquele momento. "Disse que precisávamos fazer compressa e passar refrigerante."

A família, então, voltou para casa. "Molhamos uma fralda e fomos passando, a pele ficou bem sensível", lembra Lia. Na sexta-feira (17), elas voltaram ao hospital e o médico receitou uma pomada para facilitar a remoção da cola. Como o material não desgrudou, no domingo (20) elas decidiram ir a uma clínica particular.

"Estava muito inchado, no final do dia ficou vermelho, a gente deu uma assustada porque não sabia da condição do olho por dentro". A especialista indicou o uso de antibióticos para evitar infecções e aconselhou a família a mais uma vez procurar o hospital, pois o caso provavelmente seria de cirurgia.

Na segunda (20), as três retornaram ao Hospital de Base, onde teriam recebido a indicação de operação. Contudo, poderiam esperar até cinco dias pelo procedimento, já que os outros atendimentos na fila eram prioritários. Só após a família pedir a intervenção de um advogado foi possível marcar a cirurgia para a manhã desta terça. 

"Como [Sofia] tem cílios muito grandes, ficou acumulada aquela pasta dura. Iam cortar bem perto do olho e ver se precisaria de outro procedimento, só depois iam saber o que fazer", detalha a madrinha. Agora, a família espera que Sofia consiga reabrir o olho.

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (Iges-DF) informou que o procedimento foi bem sucedido. A menina não possui lesão ocular e não corre o risco de perder a visão. "Sobre a indicação de cirurgia prescrita pelo Hospital Regional da Asa Norte, ela foi considerada, entretanto condutas médicas podem ser mudadas a qualquer momento de acordo com a evolução do estado do paciente no momento da avaliação", acrescentou.

Últimas