Brasília Ministério da Saúde prioriza vacinação contra dengue de pessoas entre 6 e 16 anos

Ministério da Saúde prioriza vacinação contra dengue de pessoas entre 6 e 16 anos

Expectativa da pasta é imunizar cerca de três milhões de brasileiros em 2024; previsão para o início da imunização é fevereiro

  • Brasília | Laísa Lopes, do R7, em Brasília

Imunização tem previsão para iniciar em fevereiro deste ano

Imunização tem previsão para iniciar em fevereiro deste ano

Sumaia Villela/Agência Brasil

O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira (15) que a faixa etária prioritária para a vacinação contra a dengue são crianças e adolescentes entre 6 e 16 anos. A pasta informou ainda que a imunização tem previsão para iniciar em fevereiro deste ano. A expectativa da pasta é imunizar cerca de três milhões de brasileiros em 2024.

Apesar da escolha da faixa etária feita pelo comitê técnico e recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), nem todos serão imunizados de imediato.

“Dentro da faixa etária, serão montadas estratégias. Isso não significa que todo o grupo etário será vacinado, pois serão analisados os territórios que mais sofrem com a doença e hospitalização, por exemplo”, informou o diretor do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Eder Gatti.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Com relação à distribuição do imunizante, o comitê técnico da pasta ainda articula com estados e municípios para criar estratégias.

Conhecida como Qdenga, a vacina contra a dengue foi incorporada ao Sistema Único de Saúde (SUS) no fim do ano passado. O laboratório fabricante, Takeda, informou que tem uma capacidade restrita de fornecimento. Será necessário duas aplicações por pessoa.

O Ministério da Saúde prevê epidemia de dengue no Centro-Oeste, Sul e Sudeste, em que, de 4.976 municípios, 30,2% têm classificação de alerta para o Aedes Aegypti.

O aumento de casos também ocorreu de 2022 para 2023. No ano passado, o salto foi de 15,8%, passando de 1,3 milhão, em 2022, para 1,6 milhão. 

Últimas