Brasília 'Nunca recebi um único real de assessor', diz Janones ao negar rachadinha 

'Nunca recebi um único real de assessor', diz Janones ao negar rachadinha 

Áudio revela suposto pedido do deputado de parte do salário de assessores para cobrir despesas de campanha

  • Brasília | Bruna Lima, do R7, em Brasília

Janones é suspeito de praticar rachadinha

Janones é suspeito de praticar rachadinha

Paulo Sergio/Câmara dos Deputados

O deputado federal André Janones (Avante-MG) negou, nesta segunda-feira (27), ter cometido rachadinha com o salário de assessores. O parlamentar disse nunca ter recebido "um único real de assessor" e acusou o que chama de "extrema direita" de promover "escândalos fabricados".

A resposta veio depois da repercussão de um áudio gravado em 2019 durante uma reunião com a equipe, ocasião em que o político teria pedido parte dos salários para pagar despesas de campanha.

Janones não nega a fala, mas diz que foi usada "uma gravação clandestina, criminosa e fora de contexto" para tentar imputar ao parlamentar um crime que ele diz jamais ter cometido. "É a segunda vez que trazem esse assunto para tentar me ligar a crimes. Em 2022, já fizeram isso durante a campanha, também com áudios fora de contexto. Essas denúncias vazias nunca se tornaram uma ação penal ou qualquer processo, por não haver materialidade. Não são verdade, e sim escândalos fabricados", defendeu-se Janones. 

Além de negar ter recebido dinheiro dos assessores, Janones afirma que toparia abrir mão do sigilo bancário. "Eu não tenho o que esconder", garante. 

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

A gravação é de 5 de fevereiro de 2019 e foi feita pelo jornalista Cefas Luiz, ex-assessor de Janones, durante a primeira reunião após os funcionários tomarem posse. Cefas contou à reportagem que "o esquema rodou no gabinete e era mensal". Ele afirmou, ainda, que levaria o material ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e para a Comissão de Ética da Câmara dos Deputados.

Segundo a fala de Janones, a verba arrecadada seria usada para cobrir um rombo de R$ 675 mil nas contas pessoais dele. O parlamentar afirma ter precisado vender casa e carro, além de ter usado dinheiro da poupança e da previdência para bancar a disputa eleitoral. No áudio, Janones diz que daria salários maiores a alguns servidores para que esses valores extras pudessem ser devolvidos ao deputado como forma de ajudar a pagar as contas do que ficou da campanha de prefeito. 

Relembre

Nas eleições presidenciais de 2022, Janones chegou a oficializar a candidatura para concorrer pelo Avante, mas desistiu, para apoiar o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Durante o período eleitoral, Janones fez um grande movimento usando as redes sociais para disseminar informações contra o candidato da oposição e ex-presidente Jair Bolsonaro. À época, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mandou Janones excluir diversas publicações das redes por divulgação de conteúdos inverídicos.

Mesmo com o forte apoio a Lula durante a campanha, Janones ficou fora dos cargos do primeiro escalão do presidente eleito. O deputado chegou a integrar o grupo técnico de comunicação social da equipe de transição de governo, mas não entrou no rateio dos altos cargos.

Últimas