Brasília Parlamento de Portugal veta discurso de Lula em sessão de feriado nacional

Parlamento de Portugal veta discurso de Lula em sessão de feriado nacional

Possível fala de Lula irritou parlamentares portugueses; presidente deve falar, mas não na cerimônia sobre a Revolução dos Cravos

  • Brasília | Do R7

O presidente Lula (PT) durante evento no Palácio do Planalto

O presidente Lula (PT) durante evento no Palácio do Planalto

Ricardo Stuckert/PR - 1.3.2023

Durante visita que fará a Portugal, em abril, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não vai mais discursar na sessão solene do Parlamento em homenagem ao 25 de abril, data de celebração da Revolução dos Cravos. A data marca a revolução de 1974, que derrubou o regime ditatorial instaurado no país por Antonio Oliveira Salazar.

O discurso de Lula no parlamento do país europeu chegou a ser anunciado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, João Gomes Cravinho. No entanto, um grupo de deputados que fazem oposição ao primeiro-ministro de Portugal, António Costa, disse que o parlamento foi desrespeitado com a medida.

"Isto que estamos a tomar conhecimento constitui um atropelo inaceitável àquilo que é a própria instituição parlamentar. O senhor ministro dos Negócios Estrangeiros não está em sua casa. Esta é a casa da democracia, que tem procedimentos próprios", reclamou o deputado Rui Rocha, presidente do partido Iniciativa Liberal.

Segundo ele, a presença de Lula na sessão da Assembleia da República deveria ser decidida pelo próprio parlamento. "É incompreensível que o ministro dos Negócios Estrangeiros apresente uma decisão que não foi partilhada com grupos parlamentares e com os deputados. Nem António Costa, nem o ministro, nem o governo, nem o PS [partido de Costa] são donos do parlamento", completou Rui Rocha.

Posteriormente, os parlamentares portugueses decidiram que Lula vai poder fazer um discurso, mas não na sessão solene dedicada ao 25 de abril. A declaração do petista deve ocorrer entre 23 e 25, data da viagem do presidente brasileiro a Portugal.

"Tal como a IL defendeu desde a primeira hora, o presidente do Brasil não intervirá na sessão solene do 25 de Abril. Foi um lamentável incidente em que foi posto em causa o princípio da separação de poderes. Felizmente foi bloqueada a intenção de atropelar a instituição parlamentar", disse Rocha, líder do IL.

Durante a viagem, Lula deve entregar ainda o prêmio Camões de 2019 para Chico Buarque. O cantor deveria ter recebido a premiação no mesmo ano, mas o então presidente Jair Bolsonaro (PL) recusou-se a assinar os documentos de chancela.

A condecoração, uma das mais tradicionais, foi criada em 1988 e tem como objetivo reconhecer um autor em língua portuguesa que "tenha contribuído para o enriquecimento do patrimônio literário e cultural da língua".

Últimas