Brasília Polícia Federal realiza buscas na casa de homem que quebrou relógio no Palácio do Planalto

Polícia Federal realiza buscas na casa de homem que quebrou relógio no Palácio do Planalto

Suspeito de vandalismo mora em Catalão (GO), foi identificado e preso na cidade de Uberlândia (MG), nesta segunda-feira (23)

  • Brasília | Renato Souza e Sarah Paes, do R7, em Brasília

Sala da casa do homem identificado pela polícia como o vândalo que quebrou relógio histórico no Palácio do Planalto

Sala da casa do homem identificado pela polícia como o vândalo que quebrou relógio histórico no Palácio do Planalto

Divulgação/PF

A Polícia Federal realizou buscas, na manhã desta terça-feira (24), na casa do homem que foi filmado ao destruir um relógio do século 17 durante os ataques de vandalismo à praça dos Três Poderes, em 8 de janeiro. Localizado em Catalão, cidade do interior de Goiás com 113 mil habitantes, o imóvel é simples, pequeno, dividido em dois cômodos e tem poucos móveis. 

O homem foi preso na cidade de Uberlândia, em Minas Gerais, nesta segunda-feira (23). O suspeito foi identificado como Antônio Cláudio Alves Ferreira e tem 30 anos. De acordo com a polícia, ele vai permanecer preso na cidade mineira.

O relógio foi um presente da França ao então rei Dom João 6º e ficava no 3º andar do Palácio do Planalto. O objeto raro foi produzido na França pelo relojoeiro Balthazar Martinot, que trabalhava para a corte francesa.

Câmeras de videomonitoramento flagraram o momento exato em que o homem jogou o objeto no chão e o destruiu. Nas imagens, ele vem caminhando, para, derruba o relógio no chão e revira mesas e cadeiras. Depois, retorna e tenta destruir a câmera de segurança com um extintor de incêndio.

O governo federal pediu ajuda a uma relojoaria da Suíça para recuperar o relógio de Martinot. O prejuízo total dos estragos causados pelos atos em Brasília no dia 8 de janeiro é estimado em R$ 18,5 milhões.

Últimas