Brasília Polícia procura por suspeito que atropelou dois desafetos no DF

Polícia procura por suspeito que atropelou dois desafetos no DF

Uma das vítimas morreu ao ser atingida pelo carro em alta velocidade. Caso ocorreu em outubro

  • Brasília | Jéssica Moura, do R7, em Brasília

Polícia Civil divulgou foto de foragido Genival Ferreira da Silva Junior

Polícia Civil divulgou foto de foragido Genival Ferreira da Silva Junior

Divulgação/PCDF

Pouco mais de dois meses após o crime, a Polícia Civil desvendou um caso de homicídio e tentativa de homicídio na Asa Sul. O homem apontado como autor do delito é Genival Ferreira da Silva Junior, de 35 anos. Ele é considerado foragido pois um mandado de prisão preventiva foi expedido contra ele pela justiça do Distrito Federal, e agora, a corporação busca localizá-lo.

O caso ocorreu em 24 de outubro do ano passado, na Vila Telebrasília. Na ocasião, Genival teria se envolvido em uma discussão futil enquanto bebia em uma distribuidora da região. Em seguida, ele teria intencionalmente atropelado os dois desafetos que estavam parados sobre uma moto. Depois disso, Genival fugiu.

Uma das vítimas, de 31 anos, morreu após o atropelamento. O colega dele, de 26 anos sobreviveu. A ação de Genival foi registrada por câmeras de um estabelecimkento próximo. É possível ver o carro de Genival passando em alta velocidade e atingindo as duas vítimas, que são arremessadas da motocicleta. Transeuntes correm para socorrê-los.

A Polícia Civil agora divulga a foto do suspeito e pede para que, quem tiver informações sobre o paradeiro dele, faça a denúncia pelo telefone 197 ou pelo WhatsApp da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul): 3207-6331. A queixa é anônima e sigilosa.  

De acordo com o delegado-chefe adjunto da 1ª DP, Maurício Lacozilli, o foragido já possui antecedentes criminais por estupro de vulnerável e violência doméstica praticados em Goiás. “Caso ele seja condenado pelos crimes de homicídio qualificado consumado e por homicídio qualificado tentado, as penas somadas podem chegar aos 50 anos de prisão”, destaca Lacozilli.

Últimas