Brasília Promotores denunciam coronel que constrangeu militares por usarem 'saia curta'

Promotores denunciam coronel que constrangeu militares por usarem 'saia curta'

Militar do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal pode responder por abuso de autoridade; para promotores, caso é de misoginia

  • Brasília | Jéssica Moura, do R7, em Brasília

Antes da expulsão, uma das mulheres passou pela "prova de túnica"; seu traje foi aprovado

Antes da expulsão, uma das mulheres passou pela "prova de túnica"; seu traje foi aprovado

Breno Esaki/Jornal de Brasília

O Ministério Público do Distrito Federal ofereceu denúncia de abuso de autoridade contra o coronel do Corpo de Bombeiros Edwin Aldrin Franco de Oliveira depois que ele ordenou a saída de duas militares de uma cerimônia de formatura. Na ocasião, ele alegou que a saia que elas usavam era muito curta.

O caso aconteceu na conclusão do curso de altos estudos de praças, no DF, em abril de 2021. Na época, Franco era diretor de ensino da corporação. Durante a cerimônia, pouco antes da execução do Hino Nacional Brasileiro, no início do evento, ele mandou que as duas militares, cuja patente é de terceiro-sargento, deixassem o local.

Segundo ele, os uniformes usados por elas estariam fora do padrão previsto no regimento. Diante do constrangimento, ambas desceram do palco por uma saída lateral e não receberam a homenagem. No entanto, antes de elas integrarem o grupo de formandos, uma das mulheres foi submetida à chamada "prova de túnica", que atestou que a farda estava adequada.

Padrão da roupa

Especificações quanto ao comprimento das saias só foram fixadas neste ano. Para o Ministério Público, como o coronel não abriu nenhum procedimento disciplinar para apurar a conduta, ele teria agido de má-fé. "Movido exclusivamente por mero capricho ou satisfação pessoal, o que pode ser traduzido por misoginia", considera a denúncia.

"O referido ato, além de causar constrangimento desnecessário e indevido às vítimas [...], causou-lhes significativo sofrimento psicológico", prosseguem os promotores na denúncia. O Corpo de Bombeiros foi procurado pelo R7, e informou que não compactua com nenhum tipo de conduta delituosa, mas que ainda não foi notificado da denúncia. 

"O CBMDF não foi notificado oficialmente até o momento e, destacamos que como  qualquer cidadão, o bombeiro militar em questão tem assegurada a ampla defesa e ao contraditório, para que possa se defender de eventuais acusações em quaisquer  esferas que estas aconteçam", diz a nota. "Dependerá do poder judiciário dar prosseguimento à denúncia ou não".

Últimas