Brasília Reforma do Meteoro, no Itamaraty, tem custo inicial de R$ 184 mil

Reforma do Meteoro, no Itamaraty, tem custo inicial de R$ 184 mil

Valor final da restauração da escultura será conhecido após a conclusão da licitação de execução dos trabalhos

  • Brasília | Hellen Leite, do R7, em Brasília

Reforma do Meteoro deve durar dez meses

Reforma do Meteoro deve durar dez meses

Ana de Oliveira/AIG-MRE

O custo inicial da limpeza e restauração da escultura que fica localizada no espelho-d’água do Palácio do Itamaraty é de R$ 184 mil. A obra Meteoro, de Bruno Giorgi, é parte do cartão-postal da Esplanada dos Ministérios e vai passar pela primeira reforma após 54 anos. Os trabalhos serão acompanhados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e devem ser concluídos em dez meses.

Quem passa pela Esplanada dos Ministérios já vê a movimentação diferente em torno da escultura. O espelho-d’água, que comporta 2,35 milhões de litros, foi esvaziado para que os trabalhos sejam executados na escultura, visivelmente danificada. A pedra da parte de baixo da obra apresenta fissuras e em outro ponto faltam lascas do mármore branco de origem italiana.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores (MRE), a primeira fase dos trabalhos deve levar cerca de três meses. Essa etapa prevê investigação diagnóstica, ou análise do estado de conservação, e elaboração do estudo de intervenção. A empresa Restauro Carioca, especializada em reparação de obras de arte, é responsável por essa fase dos trabalhos.

Com o diagnóstico pronto, o projeto será submetido ao Iphan. Assim que for aprovado, será iniciado o processo de licitação para a restauração propriamente dita. O valor total da reforma só será conhecido após concluído o certame que definirá a empresa vencedora para a execução dos trabalhos.

Esta é a primeira vez que a escultura passa por uma restauração. Ela foi instalada na frente do Itamaraty em 1967 e seus cinco blocos de mármore de Carrara simbolizam o diálogo entre os continentes, numa alusão à missão principal da diplomacia, de negociar e interagir com todos os povos.

História do Meteoro

Bruno Giorgi esculpindo o Meteoro em mármore branco de Carrara

Bruno Giorgi esculpindo o Meteoro em mármore branco de Carrara

MRE/Divulgação

O Meteoro foi esculpido por Bruno Giorgi em mármore branco de Carrara, entre 1967 e 1968. A obra foi montada com cinco partes de uma esfera vazada estilizada, que significa os laços diplomáticos entre os cinco continentes. O artista passou 14 meses em Carrara, na Itália, para extrair o bloco único de mármore onde seria esculpido o monumento. A peça foi transportada da Europa para o Rio de Janeiro de navio. Depois, seguiu até Brasília de caminhão. 

Coube ao diplomata Wladimir Murtinho, curador de artes do Itamaraty na época, convencer Oscar Niemeyer de que o Meteoro deveria ficar do lado de fora do palácio, em vez de ser instalado no salão. O arquiteto resistia à ideia de uma obra de arte no espelho-d’água, mas acabou cedendo ao pedido de Murtinho.

Embora tenha 4 metros de altura e pese 40 toneladas, a escultura parece flutuar sobre o espelho-d'água que circunda o edifício. A maquete da obra recebeu o grande prêmio de escultura da cidade de Milão, em 1966.

Últimas