Brasília Veja interior do avião que vai resgatar brasileiros em Israel

Veja interior do avião que vai resgatar brasileiros em Israel

O número de mortos no conflito entre o Exército israelense e terroristas do Hamas é de 1.360, segundo o último balanço

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Interior do avião que vai resgatar brasileiros

Interior do avião que vai resgatar brasileiros

Divulgação

A Força Aérea Brasileira (FAB) planeja buscar brasileiros que estão em Israel em, pelo menos, cinco voos. O país do Oriente Médico sofreu bombardeios do grupo palestino Hamas no último sábado (7). Os aviões partem de três cidades: Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Veja, abaixo, o interior de uma das aeronaves usadas para a repatriação de brasileiros.

De acordo com a FAB, um dos aviões que resgatarão brasileiros é um KC-30. Além da tripulação, estarão presentes dois médicos, dois enfermeiros e uma psicóloga — todos militares — para prestar atendimento.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores (MRE), cerca de 1.700 brasileiros já pediram para voltar ao Brasil, e a maioria das solicitações é de turistas em Tel Aviv e Jerusalém. Três brasileiros continuam desaparecidos. A lista de passageiros será definida por prioridades, sendo os primeiros aqueles que moram no Brasil e não têm passagem de retorno em voos comerciais.

Até o momento, a FAB planeja resgatar os brasileiros em Israel em cinco voos. O primeiro vai pousar em Brasília, na madrugada de quarta-feira (11); o segundo, com pouso no Rio de Janeiro, chegará na noite de quinta-feira (12); o terceiro, com escala no Recife e destino final em Guarulhos, na manhã de sexta-feira (13); o quarto terá pouso no RJ, na noite de sexta-feira (13); e o último, com pouso também na capital fluminense, no sábado (14).

Segundo o balanço mais recente, o número de mortos no conflito entre o Exército de Israel e terroristas do Hamas é de 1.360, sendo 800 israelenses e 560 palestinos. De acordo com dados divulgados por autoridades dos dois países, mais de 5.000 pessoas ficaram feridas nos bombardeios dos últimos três dias.

Últimas