Cidades Após ataques, 20 presos do CE são transferidos para presídio federal

Após ataques, 20 presos do CE são transferidos para presídio federal

Primeiras vagas já haviam sido disponibilizadas desde a sexta, dia 4, mas ainda faltava a chegada das autorizações judiciais, comunicadas nesta terça (8)

  • Cidades

Já está ocorrendo um arrefecimento dos ataques

Já está ocorrendo um arrefecimento dos ataques

Jarbas Oliveira/ Estadão Conteúdo - 08.01.2019

Como reação à onda de ataques no Ceará, 20 presos locais foram transferidos para o presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, na madrugada desta quarta-feira, dia 9.

A operação foi realizada de forma conjunta entre o Depen (Departamento Penitenciário Federal), a PRF (Polícia Rodoviária Federal) e o governo do Ceará, com início às 2h e término às 4h30 da manhã. Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, os presos transferidos seriam integrantes do Comando Vermelho.

Veja também: Ataques no Ceará geram boatos e prejudicam serviços no estado

A partir de Mossoró, os detentos serão distribuídos entre as demais quatro unidades penitenciárias federais administradas pelo Depen, do MJSP (Ministério da Justiça e Segurança Pública). Ao mesmo tempo, novas transferências em presídios do Ceará ainda devem ocorrer. O Depen disponibilizou mais vagas. Segundo uma fonte, o número total pode chegar a 60.

As primeiras 20 vagas já haviam sido disponibilizadas desde a sexta-feira, dia 4, mas ainda faltava a chegada das autorizações judiciais, que foram comunicadas nesta terça-feira (8) ao ministério. A ação coordenada para definir as transferências envolveu o Ministério Publico e o Poder Judiciário do Ceará, o MJSP e a Justiça Federal de Mossoró.

Veja também: Envio de Força Nacional dá sensação de alívio, mas não barra facções

A avaliação do Ministério da Justiça é que as ações em resposta à onda de ações criminosas em Fortaleza, na região metropolitana e no interior do Estado, estão surtindo efeito. Comenta-se que já está ocorrendo um arrefecimento dos ataques, que seguem preocupando a população.

Últimas