Folha Vitória Projeto promove interação entre alunos da Áustria e do Brasil

Projeto promove interação entre alunos da Áustria e do Brasil

Com organização de duas professoras capixabas, alunos austríacos e brasileiros trocaram cartas em alemão e português

Folha Vitória

Um novo projeto de troca de cartas entre alunos do Brasil e da Áustria está fazendo o maior sucesso entre os alunos de uma escola de Domingos Martins e de St. Pölten. A ideia surgiu da professora e doutora em Letras Karina de Rezende Fohringer e teve apoio da irmã, Daniela Nogueira de Rezende Tavares, que é nutricionista na rede municipal da cidade capixaba.

Karina mora na Áustria há pouco mais de três anos e é professora de português como língua de herança para crianças entre 6 e 13 anos, com aulas que têm duração de duas horas por semana. Aqui em Domingos Martins, a professora Patrícia xxx ministra aulas de alemão na Escola Família Agrícola, em São Bento do Chapéu, para adolescentes de 11 a 13 anos, que acontecem apenas uma vez na sessão escolar e fazem parte do currículo dos estudantes. A conexão entre as duas se deu pelo envolvimento de Daniela.

Entre tantas mensagens e ligações, as duas definiram datas para o projeto com base nos calendários escolares dos dois países. Esses ajustes são necessários porque, na Áustria, o período letivo é de setembro a junho, enquanto aqui no Brasil o período é de fevereiro a dezembro.

Depois de tantas análises e definições sobre datas, o projeto começou a funcionar. As duas horas de aulas semanais que Karina ministra na Áustria fazem parte do programa educacional do governo. Ela trabalha na escola VolksschuleOtto Glöckel e, sendo parte fundamental do projeto, os alunos escreveram as cartas em Língua Portuguesa. Logo que estavam prontas, foram enviadas para o Brasil.

Os alunos da Escola Família Agrícola receberam as correspondências austríacas na primeira semana de junho e as responderam em alemão. O objetivo das professoras, desde que elaboraram o projeto, é dar uma nova definição para o estudo das línguas estrangeiras, para que os alunos possam praticar os novos conhecimentos no alemão e no português fora de situações em que essas línguas são consideradas herança de família.

Infelizmente, as cartas dos alunos capixabas só chegaram no dia 12 de julho na Áustria. O período é o mês de férias, já que o ano letivo se encerra em junho, e Karina estava no Brasil durante esse período. Ela, que é de Vila Velha, veio com a família e visitou a escola, em que pôde conversar com os alunos da Escola Família Agrícola e trocar experiências. O único contato que a professora teve com os capixabas havia sido por redes sociais. Os estudantes austríacos ainda não receberam as cartas brasileiras por estarem de férias.

Lembrança austríaca

Durante a visita da professora Karina ao Brasil, o marido dela, Christian Fohringer, aproveitou para dar aos alunos da Escola Família Agrícola alguns objetos doados pela Gemeindeverband für Umweltschutz und Abgabeneinhebung im Bezirk Melk (GVU MELK), onde ele trabalha. Nessa empresa, é realizado o planejamento da coleta seletiva da Áustria, que recicla cerca de 80% do lixo coletado.

Christian aproveitou a visita pela escola para conversar com os estudantes sobre a destinação do lixo produzido e reforçou a importância da preservação do meio ambiente. Após um bate papo, os objetos doados para os estudantes da Escola Família Agrícola pela GVU foram desenvolvidos em parceria com escolas públicas da Áustria.

Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Últimas