Folha Vitória Psicóloga alerta para comportamento de crianças vítimas de assaltos

Psicóloga alerta para comportamento de crianças vítimas de assaltos

Os ´pais devem estar atentos a sintomas como agressividade, insônia e distúrbio alimentar que podem ser consequência de traumas após momentos de violência e tensão

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Há quem diga que não existe lugar 100% seguro. A violência nas ruas faz com que muitas pessoas fiquem amedrontadas. Muitos suspeitos abordam as vítimas com agressividade, sejam elas, adolescentes, adultos e até crianças. 

A ação violenta dos criminosos pode causar traumas nas crianças após serem expostas à uma situação de criminalidade. 

Uma professora de 45 anos ficou traumatizada contou que passou por um momento difícil quando ela e o filho, de apenas três anos, ficaram na mira de uma arma de fogo, durante um assalto na Serra.

"Assim que eu saí do carro, andei uns três metros quando fui abordada. O meliante apareceu de repente e chegou falando que era um assalto". 

Sem saber ao certo o que o suspeito queria, a mulher começou a ficar com medo, principalmente, quando viu que o criminoso estava armado e passou a ameaçar o filha dela. 

"Ele (o suspeito) disse: 'Vira para trás e caminha. A arma está na cabeça do seu filho. Se você der qualquer grito ou movimento em falso, eu atiro na cabeça dele'. Eu só pensava em me livrar daquela situação logo. O desespero era meu filho fazer algum movimento e ele atirar. Tive que ficar calma". 

Momentos de terror e tensão são cada vez mais comuns à população que não se sente segura andando nas ruas. 

A vítima ainda precisou acalmar o suspeito que parecia não ter intimidade com o volante. "Ele demonstrou nervosismo, porque não conseguia dar ré. Tinha um carro na frente. Não conseguia sair do lugar", relatou ela. 

A psicóloga, Galileia Simões, explicou que a exposição de crianças à cenas de violência podem desenvolver mudanças no comportamento. Os pais devem estar atentos. 

"Existem crianças que, a partir de uma violência vivida, começam a apresentar transtorno do pânico, fobia, passam a mostrar medo por coisas que antes não aconteciam. Algumas crianças começam a urinar na cama ou na roupa", pontuou.

Além disso, diante dessa realidade, ela alerta que os pais ou responsáveis atuem na tentativa de ajudar os filhos. 

"É muito importante que o pai mostre para a criança que  ele está presente e que está ao lado dela nesse momento. A crianças precisa ter um ponto de apoio, alguém que ela possa se sentir segura". 

A produção da TV Vitória/RecordTV entrou em contato com a Polícia Civil para atualizar o caso. De acordo com a polícia, o veículo foi recuperado e entregue aos donos em julho. 

Mulher sai para passear com o filho de seis meses e é rendida por criminoso armado que ameaçou a criança

Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Outro caso aconteceu no bairro Hélio Ferraz, na Serra. Uma jovem de 21 anos havia saído de casa com o filho de apenas seis meses de vida. Ela estava a caminho de um shopping,quando foi abordada por um criminoso. 

Ela, com medo de se identificar, contou que o suspeito agiu com agressividade e covardia, e chegou a apontar a arma para a cabeça do bebê para atirar.

 "Fiquei com bastante medo. Nunca tinha passado por isso. Eu estava indo para o shopping com meu filho e ele (suspeito) me abordou. Até pensei que fosse alguém aqui do bairro". 

A ação criminosa aconteceu no final da tarde. O homem se aproximou da vítima gritando, o que assustou a criança. "Meu filho ficou assustado. Foi tudo muito rápido. Uma coisa assustadora", relatou ela.

A psicóloga orienta também que, depois de ter vivido momentos de tensão, é fundamental que os pais acompanhem a criança no processo de recuperação do trauma. 

"É muito importante que, após sofrer uma violência, a família esteja atenta ao comportamento que a criança irá apresentar. Até os desenhos que ela fizer podem apresentar sinais ligados à violência. Os pais devem sempre ser um suporte", explicou. 

A profissional ressaltou que muitas crianças podem desenvolver comportamentos violentos após terem sido vítimas de violência. 

"A criança começa a demonstrar alguns comportamentos mostrando que algo está errado. Ela demonstra que precisa de ajuda e cuidado, mas não sabe falar do que precisa. Pode apresentar sintomas de agressividade, insônia e até distúrbio alimentar". 

Segundo informações da Polícia Civil, o caso segue sob investigação no 13º Distrito. 

Criminosos assaltam coletivo e apontam arma para uma criança

Foto: Matheus Moraes | Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Cada vez mais, o transporte público tem sido alvo de criminosos. Dois suspeitos entraram no ônibus que faz a linha 504/ Terminal de Itacibá ao Terminal de Jacaraípe. 

Uma testemunha que prefere não ser identificada passava pelo local e presenciou a cena. Ela relatou que os passageiros estavam desesperados e viu o momento em que um dos suspeitos apontou a arma para uma criança que estava no Transcol. 

A Polícia Civil informou que os dois criminosos foram detidos e autuados em flagrante por tentativa de roubo. 

*Com informações do repórter Douglas Camargo, da TV Vitória / Record TV.

Últimas