Cidades Polícia prende 7 e descobre jatos, Porsche e Ferrari do tráfico em GO

Polícia prende 7 e descobre jatos, Porsche e Ferrari do tráfico em GO

Suspeitos detidos pela Operação Icarus ostentavam vida luxuosa no exterior por meio de esquema que cooptava pilotos para o tráfico de drogas

  • Cidades | Cesar Sacheto, do R7, com informações da Record TV

Suspeitos presos pela Operação Icarus ostentam viagem à Dubai

Suspeitos presos pela Operação Icarus ostentam viagem à Dubai

Divulgação/Polícia Civil - GO

Policiais civis do Grupo Antissequestro da Delegacia Estadual de Investigações Criminais de Goiás revelaram, nesta sexta-feira (9), um esquema criminoso altamente complexo pelo qual pilotos de aeronaves comerciais eram cooptados para o tráfico de drogas e lavagem de capitais. A Operação Icarus resultou na prisão de sete pessoas e na apreensão de jatos, carros de luxo, diversos artigos caros e cerca de R$ 571 mil em dinheiro, entre reais e dólares. 

Leia também: Polícia apreende cocaína em spray de cosmético em aeroporto de SP

A investigação teve início há seis meses, após o desaparecimento do piloto Bruce Lee Carvalho dos Santos, ocorrido no fim do ano passado, quando pilotava um avião modelo Piper Sêneca (prefixo PT-VPH). A aeronave seria de propriedade da organização criminosa, comandada por um holandês radicado no Brasil, segundo a polícia goiana.

Ainda de acordo com as autoridades policiais, há indícios de que o piloto tenha sofrido um acidente e caído em um lago na Bolívia, após bater em um fio de alta tensão, durante uma das viagens ilegais. Bruce Lee e a aeronave ainda não foram localizados.

Voos perigosos

De acordo com a apuração policial, o grupo contratava pilotos para voos com o propósito de buscar drogas em países vizinhos, principalmente  Colômbia e Peru, além da própria Bolívia.

Leia também: Estudante morre ao ser baleado com tiro no peito na Tijuca, no Rio

As viagens eram sempre muito arriscadas, pois as aeronaves deveriam ser modificadas para que voassem com mais autonomia. Os reabastecimentos ocorriam em pleno voo — sempre realizados com equipamentos de localização desligados e em baixa altitude para escapar dos radares do controle aéreo.

Jato apreendido por policiais civis de Goiás

Jato apreendido por policiais civis de Goiás

Divulgação/Polícia Civil - GO

Rota das drogas

A investigação descobriu também que os entorpecentes entravam no Brasil pelo Pará e seguiam para Goiás em um caminho já conhecido e batizado de "rota caipira" do tráfico pelos policiais.

Em solo brasileiro, a droga era armazenada e passava por um tratamento antes de ser liberada para a exportação. O destino era a Europa, especialmente países como: França, Holanda, Alemanha e Bélgica.

Os entorpecentes eram enviados em lotes de produtos como granito, mármore e gêneros alimentícios. As cargas menores eram transportadas por "mulas", pessoas pagas pelos traficantes para levar o material nas bagagens em voos regulares.

Vida de luxo

Os integrantes da organização criminosos desfrutavam de uma vida luxuosa, moravam em condomínios fechados, circulavam em carrões, usavam relógios caríssimos e outros artigos de luxo.

Dois deles ostentaram a riqueza originada pelo tráfico de drogas durante uma viagem a Dubai, no Oriente Médio. Ambos posaram para fotos usando roupas típicas locais e ao lado de duas Ferrari.

Prisões e apreensões

Com os suspeitos detidos, os policiais apreenderam dois jatos (modelos Dassault Falcon e Cessna Citation), um helicóptero (Eurocopter EC 130) — uma das aeronaves foi localizada em Sorocaba (SP), 11 veículos e uma moto aquática, além de oito relógios Rolex e outros cinco da marca Hublot.

No total, foram cumpridos 20 mandados de busca e apreensão. As prisões ocorreram em Goiânia, Santana do Parnaíba (SP) e São Félix do Xingu (PA). Um suspeito está foragido.

Você tem alguma denúncia? Envie um e-mail para denuncia@r7.com

Últimas