Futuros médicos devem manejar novas tecnologias

A medicina avançou muito nos últimos anos com a modernização das tecnologias, incluindo as digitais. E no mundo atual, acompanhar essas mudanças é essencial em qualquer profissão, inclusive a de médicos, que possui importantes demandas por parte das sociedades. Mas como formar profissionais em Medicina capazes de lidar com tantas mudanças tecnológicas? Com métodos e […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio

A medicina avançou muito nos últimos anos com a modernização das tecnologias, incluindo as digitais. E no mundo atual, acompanhar essas mudanças é essencial em qualquer profissão, inclusive a de médicos, que possui importantes demandas por parte das sociedades. Mas como formar profissionais em Medicina capazes de lidar com tantas mudanças tecnológicas? Com métodos e práticas de ensino e aprendizagem inovadores.

A médica e Profa. Heloísa Estrela, coordenadora do curso de Medicina do Unipê, diz que o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) pode criar uma cultura acadêmica que considera esses recursos como instrumentos otimizadores da aprendizagem individual ou em grupo. E é isso que o Unipê faz, segundo Heloísa.

“Objetivamos que os futuros profissionais sejam capazes de reconhecer nas TICs as possibilidades de aprender a aprender, desenvolvendo a habilidade de manusear os recursos tecnológicos existentes em favor de sua formação e atualização, além de sua competência para conceber ações em direção ao bem-estar social”, completou Heloísa. “As novas tecnologias e as transformações do mundo contemporâneo requerem um profissional em processo de formação contínua”, reforçou.

No Unipê, o curso inclui uma metodologia potencializadora de construção coletiva do conhecimento por meio do diálogo entre todos, desde os alunos até os docentes. Isso desenvolve a autonomia, autoaprendizagem e corresponsabilidade na ação do aprender com a interação, as trocas de conhecimentos colaborativa e cooperativa realizadas pelas atividades individuais e de grupos. Por exemplo: pesquisar em bancos de dados, exibição de vídeos, filmes e animações em salas de aula, e o acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA).

E ainda há a preocupação com uma aprendizagem significativa e com o permanente desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva. “A estratégia foi eliminar os compartimentos estanques que limitam a prática docente e a aprendizagem dos alunos. Ao ofertar uma alternativa diferenciada do ensino, o Unipê rompe com o viés tradicional de formação, modelo que não atende à atual conjuntura do mundo pós-moderno, e propõe uma ação eficaz e inovadora”, assinala Heloísa.

Metodologias de ensino

As metodologias aplicadas ao ensino têm princípios como autonomia, problematização da realidade e reflexão, trabalho em equipe e inovação. “O aluno é colocado como centro do processo de aprendizagem e o professor como mediador, facilitador, ativador. Alguns procedimentos podem ser considerados, como estratégias ativas de aprendizado, não se restringindo a metodologias específicas. Por exemplo: seminários; trabalho em pequenos grupos; relato crítico de experiência; relato de casos; socialização; mesas-redondas; plenárias; exposições dialogadas; debates temáticos; oficinas; leitura comentada; apresentação e crítica de filmes; interpretações musicais; dramatizações; simulações; vídeo feedback; dinâmicas lúdico-pedagógicas; portfólios reflexivos”, elenca.

Ainda, a graduação busca alternativas para provocar atividades que estimulem o desenvolvimento de várias habilidades de pensamento dos alunos. “E que também possibilitem ao professor atuar nas situações que promovem a autonomia, substituindo, sempre que possível, aquelas evidentemente controladoras”, diz. “É assim que o curso de Medicina do Unipê entende o processo das metodologias ativas. Cabe ao professor e ao aluno, apoiados pela coordenação do curso, organizarem-se para obter o máximo de benefícios delas de forma a ter uma formação médica moderna e um aprendizado significativo”, pontua Heloísa.

Vestibular de Medicina Unipê 

O Processo Seletivo para 2022 do curso de Medicina do Unipê está com inscrições abertas. O ingresso é anual e conta com 140 vagas disponíveis. Neste semestre serão duas formas distintas de ingresso: via Vestibular Tradicional e por meio da nota do Enem.

Para o Vestibular Tradicional, as pessoas interessadas devem se inscrever até 9 de outubro de 2021. A prova será realizada no dia 24 de outubro, às 13h. Já o ingresso via Enem tem inscrições abertas até o dia 15 de outubro. Pode se inscrever quem se submeteu ao Exame entre os anos de 2010 e 2020, com nota mínima de 300 pontos. 

Para mais informações, consulta de edital e inscrições, acesse o site do Processo Seletivo de Medicina Unipê.

Últimas