Cidades Vídeo da audiência de Mari Ferrer revela ações de juiz e advogado

Vídeo da audiência de Mari Ferrer revela ações de juiz e advogado

Solicitada pelo MP-SC, gravação da sessão virtual na Justiça mostra interferências do juiz Rudson Marcos em ataques feitos pela defesa do réu

  • Cidades | André Rohde, da Record TV

Vídeo de audiência de Mariana Ferrer é divulgado na íntegra

Vídeo de audiência de Mariana Ferrer é divulgado na íntegra

Reprodução/Record TV

A íntegra da audiência judicial da promotora de eventos Mariana Ferrer foi divulgada nesta quinta-feira (5), após um pedido de quebra de sigilo feito pelo Ministério Público. A forma como o juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, conduziu a sessão está sendo questionada. 

Mariana Ferrer acusou o empresário André Camargo Aranha de estupro, crime supostamente ocorrido em um beach club de luxo na praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis, no dia 15 de dezembro de 2018. O réu foi inocentado em primeira instância.

No vídeo, que tem três horas de duração, o magistrado interrompe o advogado do réu, Cláudio Gastão da Rosa Filho, por pelo menos três vezes. Em uma dessas interrupções, o juiz ameaçou suspender o ato caso os ataques à jovem continuasse. No entanto, a interferência não impediu que o advogado mostrasse fotos de trabalho de Mariana como modelo.

A gravação será analisada pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que abriu um procedimento disciplinar para apurar a conduta do juiz durante a audiência. A postura do promotor Thiago Carriço de Oliveira também será investigada pelo CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público). 

O advogado da influenciadora, Júlio César da Fonseca, afirmou que a atitude do magistrado foi insuficiente e permitiu que a vítima fosse humilhada no julgamento. "Eu não entendi nem como interrupção. Primeiro ele usou a expressão 'vamos manter o nível'. E depois 'você quer um copo de água?'. Isso não é uma postura de uma audiência onde a vítima está sendo massacrada. Você precisa ser mais incisivo", frisou.

O TJ-SC (Tribunal de Justiça de Santa Catarina) informou que a corregedoria abriu um procedimento de apuração do caso, após receber um ofício da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres, vinculada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Outro lado

O advogado Cláudio Gastão afirmou que repudia qualquer forma de agressão ou violência contra a mulher. Ele acredita ter atuado dentro dos limites legais e profissionais durante o julgamento e que jamais teve a intenção de ofender ou agredir quem quer que seja.

Últimas