Balança comercial tem superávit de US$ 1,3 bi na 3ª semana de agosto

Segundo o governo, houve queda nas exportações, explicada em parte pela redução das vendas externas de minério de ferro e seus concentrados 

Balança comercial registra superávit

Balança comercial registra superávit

Reuters

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,3 bilhão na terceira semana de agosto (17 a 23), segundo dados divulgados pelo Ministério da Economia nesta segunda-feira (24). O saldo foi a diferença entre as exportações de US$ 4,332 bilhões e as importações de US$ 3,023 bilhões.

No ano, as exportações totalizam US$ 134,008 bilhões e as importações, US$ 99,096 bilhões, com saldo positivo de US$ 34,911 bilhões e corrente de comércio de US$ 233,104 bilhões.

Segundo os dados divulgados, a média diária das exportações no mês até a terceira semana de agosto (US$ 874,39 milhões) representa uma queda de 2,2% em relação ao mesmo mês em 2019 (US$ 894,07 milhões). Já as importações, pela média diária no período tiveram queda de 22,9%. 

Balança comercial tem superávit de R$ 40 bi no melhor junho da história

Segundo o ministério, essa queda das exportações é explicada pela redução das vendas externas de minério de ferro e seus concentrados (-15,1%); óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (-22,3%); minérios de cobre e seus concentrados (27,1%); pedra, areia e cascalho (-42,3%); motores e máquinas não elétricos, e suas partes (exceto motores de pistão e geradores), queda de 75,0%; aeronaves e outros equipamentos, incluindo suas partes (-81,2%); Veículos automóveis de passageiros (-47,2%); Celulose (-22,7%) e Alumina (óxido de alumínio).

Com relação às importações, a queda das importações foi puxada, principalmente, pela diminuição dos gastos com os seguintes produtos da Indústria de transformação: instalações e equipamentos de engenharia civil e construtores, e suas partes (-92,3%); óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (-45,8%); partes e acessórios dos veículos automotivos (-55,6%); veículos automóveis de passageiros (-62,7%) e adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (-18,6%).