Brasil abre 157 mil vagas com carteira assinada em setembro

Melhor resultado do Caged para o mês desde 2013 é fruto de 1.341.716 admissões e 1.184.503 desligamentos

Caged

Em 2019, já foram criados 761.776 empregos formais

Em 2019, já foram criados 761.776 empregos formais

Divulgação/Prefeitura do Rio de Janeiro

O Brasil contratou mais do que demitiu profissionais com carteira assinada pelo sexto mês seguido em setembro. Os dados, divulgados nesta quinta-feira (17) pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), apontam para a abertura de 157.213 vagas formais ao longo do mês passado.

O resultado, fruto de 1.341.716 admissões e 1.184.503 desligamentos, é o melhor para meses de setembro desde 2013, quando foram criadas 211.068 vagas formais no território nacional. Em setembro de 2018, foram criados 137.336 postos de trabalho formais no país.

Veja mais: Número de empregos cresce 0,7%, mas salários caem 0,4%

No acumulado de 2019, já foram criados 761.776 empregos com carteira assinada, o que representa uma variação de 1.98% no estoque de vagas em relação a dezembro do ano passado.

Os números mostram ainda que, em setembro, houve saldo positivo de contratações em todas as regiões brasileiras. As maiores expansões foram verificadas no Nordeste (+57.035 postos) e no Sudeste (+56.883).

Sul (+23.870 postos), Centro-Oeste (+10.073 postos) e Norte (+9.352 postos) também contrataram mais do que demitiram no período.

A retomada das contratações formais ocorre em um momento em que o nível de desempregados segue alto, com 12,6 milhões de pessoas em busca por uma colocação no mercado de trabalho, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Setores

No mês passado, sete dos oito setores de atividade tiveram saldo positivo no nível de emprego. Os maiores avanços foram apurados nos ramos de serviços (+64.533 postos), indústria de transformação (+42.179) e comércio (+26.918).

Leia também: Desigualdade no Brasil atinge maior nível desde 2012

Também contrataram mais do que demitiram a construção civil (+18.331), agropecuária (+4.463), extrativa mineral (+745) e administração Pública (+492).

Cargos mais buscados  Por outro lado, o único segmento que demitiu mais do que admitiu profissionais o setor de serviços industriais de utilidade pública, que amargou o saldo negativo de 448 vagas formais.

Cargos mais buscados pagam até R$ 45 mil