Economia Brasil abre mais de 32 mil vagas com carteira assinada em maio

Brasil abre mais de 32 mil vagas com carteira assinada em maio

Resultado positivo é fruto de 1.347.304 novas contratações e 1.315.164 demissões no período, segundo dados do Caged 

Caged

Resultado é o pior para meses de maio desde 2016

Resultado é o pior para meses de maio desde 2016

Adriana Toffetti/A7 Press/Folhapress - 23.1.2019

O Brasil terminou o mês de maio com 32.140 novas vagas de trabalho com carteira assinada, segundo dados revelados nesta quinta-feira (27), pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), O saldo positivo é fruto de 1.347.304 novas contratações e 1.315.164 demissões no período.

Apesar de positivo, o resultado é o pior para meses de maio desde 2016, quando o país cortou 72.615 postos formais. Em 2017 e 2018, o mês foi responsável pela abertura de, respectivamente, 32.254 e 33.659 vagas com carteira assinada.

Maioria de patrões não vai contratar nem demitir nos próximos meses

No acumulado de 2019, o mercado de trabalho nacional soma a criação de 351.063 empregos. Já no acumulado dos últimos 12 meses, o Caged aponta para um crescimento de 474.299 postos de trabalho formais.

O saldo de vagas criadas em maio é ainda 75% menor do que o registrado no mês de abril, quando foram abertos 130.655 postos de trabalho em território nacional.

Salário

Os dados do Caged apontam ainda que as novas contratações no mês passado tiveram remuneração média de R$ 1.586,17. Ao mesmo tempo, o salário médio de desligamento foi de R$ 1.745,34.

Salário das mulheres cresceu mais do que o dos homens em 2017

Em relação ao mesmo período de 2018, o salário médio pago aos novos contratados registrou queda de 0,73% e de 0,54% para os desligamentos.

Setores

Na análise por setores de atividade, os dados do Caged mostram que os setores da Agropecuária (+37.373 postos), Construção Civil (+8.459), Serviços (+2.533), Administração Pública (+1.004 postos) e Extrativa Mineral (+627) contrataram mais do que demitiram no mês passado.

Brasil perde 21,5 mil empresas, mas cria 550 mil vagas em 2017

Por outro lado, os ramos do Comércio, Indústria de Transformação e Serviços de Utilidade Pública terminaram o mês de maio com o corte de, respectivamente, 11.305, 6.136 e 415 postos de trabalho com carteira de trabalho no período.