Brasil cria 121.387 vagas de trabalho no melhor agosto desde 2013

Quinta alta consecutiva do Caged é fruto de 1.382.407 contratações e de 1.261.020 demissões com carteira assinada no mês passado

Emprego

Brasil já abriu quase 600 mil novas vagas em 2019

Brasil já abriu quase 600 mil novas vagas em 2019

Jorge Araújo/Folhapress - 8.1.2009

O Brasil abriu 121.387 vagas de trabalho com carteira assinada no mês de agosto, segundo dados revelados nesta quarta-feira (25), pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). O resultado corresponde à quinta alta consecutiva do índice e é fruto de 1.382.407 admissões e de 1.261.020 desligamentos.

O resultado positivo equivale à maior criação de vagas formais para meses de agosto desde 2013, quando foram abertos 127.648 novos postos de trabalho.

Leia também: metade dos pais não conseguiria fazer serviço dos filhos

No acumulado de 2019 foram criadas 593.467 novas vagas com carteira assinada. No mesmo período do ano passado. o saldo de empregos era de 568.551 novas contratações.

"Na condição de indicador antecedente, o Caged sinaliza a recuperação gradativa do emprego e do crescimento econômico, após um primeiro semestre repleto de desafios", comemora o secretário de trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo.

A sequência de resultados positivos do indicador surge em linha com as reduções das taxas de desemprego, que ainda aflige 12,6 milhões de brasileiros, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Setores

O resultado positivo do mercado de trabalho brasileiro no mês passado ocorreu com o maior volume de contratação de seis dos oito setores de atividade analisados pelo Caged. O destaque ficou para o ramo de Serviços, que criou 61.730 postos.

Leia mais: 'Tinders do Emprego' conectam empresas e profissionais

No período, também contrataram mais do que demitiram as áreas do Comércio (23.626), Indústria de Transformação (19.517), Construção Civil (17.306), Administração Pública (1.391) e Extrativa Mineral (1.235).

Por outro lado, tiveram saldo negativo os setores da Agropecuária (-3.341 postos) e Serviços Industriais de Utilidade Pública/SIUP (-77 postos).