Coronavírus: associações indicam fechamento de lojas em shoppings

Seguindo recomendação do governador João Doria, associação de lojistas reforça necessidade de paralisação das atividades dos centros comerciais

Lojistas decidirão se fecham as portas ou não

Lojistas decidirão se fecham as portas ou não

Imagem de Arquivo/Agência Brasil

A Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) emitiu nota à imprensa, na tarde desta quarta-feira (18), endossando a recomendação do governador João Doria de que os lojistas dos centros comerciais da capital e da região metropolitana de São Paulo paralisem as atividades até o prazo estabelecido como tentativa decoibir a pandemia do coronavírus.

Pela manhã, em coletiva de imprensa, Doria recomendou que os shoppings centers da capital paulista e da região metropolitana fechem as portas e que mantenham suas atividades paralisadas até o dia 30 de abril.

A medida é tomada para impedir o contágio do coronavírus e vale para estabecimentos de pequeno, médio e grande porte. Não vale, no entanto, para o litoral e o interior do estado.

Na terça-feira (17), a Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers) recomendou aos associados com empreendimentos localizados em áreas com casos confirmados de coronavírus que funcionem em horário reduzido, das 12 horas às 20 horas, a partir desta quarta-feira (18).

Isso significa uma redução de 4 horas no expediente diário dos shoppings, que costumam ficar abertos das 10 horas às 22 horas.

Na nota emitida nesta quarta, a Alshop disse que "entende que os shoppings centers prestam serviços essenciais à população como supermercados para a venda de alimentos, clínicas médicas, laboratórios, farmácias e restaurantes com serviço de entrega".

Também descatou que as lojas permanecerão fechadas seguindo a recomendação das autoridades, mas que os empreendedores podem decidir livremente pelo funcionamento, ainda que em horário restrito.

Confira a nota na íntegra:

A Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) acompanha os desdobramentos desta crise e une-se ao esforço das autoridades para combater o coronavírus (Covid-19).

A associação entende que os shoppings centers prestam serviços essenciais à população como supermercados para a venda de alimentos, clínicas médicas, laboratórios, farmácias e restaurantes com serviço de entrega. As lojas permanecerão fechadas seguindo a recomendação das autoridades, mas os empreendedores podem decidir livremente pelo funcionamento, ainda que em horário restrito.

Junto com a Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers) somos interlocutores junto ao Governo Federal e Estadual para buscar redução e isenção de impostos, e ajuda financeira para que os empresários possam manter a empregabilidade dos seus colaboradores.

Esperamos com estas medidas poder aliviar esta situação, que esperamos ser temporária, evitando que o coronavírus se espalhe, para retomarmos a nosso cotidiano.