Em ofício ao Congresso, Guedes lista projetos prioritários para votação

Ministro da Economia afirma que esforço para a aprovação das propostas "tem a capacidade de proteger o Brasil da crise externa”

Guedes defendeu a aprovação das reformas estruturais

Guedes defendeu a aprovação das reformas estruturais

Adriano Machado/Reuters - 5.11.2019

Após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ter cobrado do governo liderança no enfrentamento à crise global e a adoção de “outras ações”, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reagiu com um ofício enviado à cúpula do Congresso Nacional listando projetos que já estão em tramitação no Legislativo como prioritários para passar pelo período de turbulência.

“O esforço para a aprovação, neste semestre, das matérias listadas tem a capacidade de proteger o Brasil da crise externa”, diz Guedes no ofício. O ministro também acena com a possibilidade de concessão de “outros estímulos à economia”, mas deu o recado de que isso será possível apenas se a agenda de reformas estruturais tiver continuidade, abrindo o espaço fiscal necessário.

Leia mais: Governo é leal à política econômica de Guedes, diz Bolsonaro

Nos últimos dias, em meio à perspectiva de desaceleração da atividade econômica, economistas de diferentes espectros ideológicos têm feito um clamor pelo aumento de investimentos públicos por meio da flexibilização do teto de gastos (que limita o avanço das despesas à inflação), medida rechaçada pela equipe econômica.

Com a continuidade de reformas estruturais que o País precisa, será possível recuperar espaço fiscal suficiente para a concessão de outros estímulos à economia
Paulo Guedes

“Com a continuidade de reformas estruturais que o País precisa, será possível recuperar espaço fiscal suficiente para a concessão de outros estímulos à economia”, diz o ofício, sem especificar quais estímulos.

A tentativa do ministro da Economia de passar a bola de volta para o Congresso Nacional vem também depois de Maia ter cobrado publicamente o envio das propostas do governo para as reformas tributária e administrativa.

No documento, encaminhado a Maia e ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), Guedes indica que as duas propostas serão enviadas em breve, mas indica uma lista de projetos de lei que são prioritários para a equipe econômica e já estão em andamento nas duas Casas. O ministro pede celeridade na aprovação dessas matérias diante da necessidade de “blindagem” da economia brasileira ante a crise externa.

“Considerando o agravamento da crise internacional em função da disseminação do coronavírus e a necessidade de blindagem da economia brasileira, o Ministério da Economia propõe acelerar a pauta que vem conduzindo junto ao Congresso Nacional”, afirma.

Veja também: Coronavírus é gota d’água para mundo em desaceleração, diz Guedes

Entre os projetos listados como prioritários estão o Plano de Equilíbrio Fiscal, que cria um plano de socorro a Estados com dificuldades de caixa, a autonomia do Banco Central, a privatização da Eletrobrás, a nova lei do mercado de gás, o Novo Marco Legal do Saneamento e a mudança na Lei de Concessões.

Guedes também cita as três PECs enviadas no fim do ano passado ao Senado e que fazem parte do chamado Pacto Federativo. As propostas criam uma série de gatilhos de ajuste nas contas da União e de Estados e municípios, mas também preveem maiores transferências de recursos aos governos regionais.

O ministro também informa ao Congresso que o governo deve enviar “em breve” o texto da reforma administrativa e que trabalha na finalização de sua proposta de reforma tributária.