Economia Está pensando em comprar um imóvel? Em 2023, preços devem subir menos

Está pensando em comprar um imóvel? Em 2023, preços devem subir menos

Para especialista, juros do financiamento devem continuar altos, e saída pode ser escolher um imóvel menor ou em área mais distante

Agência Estado - Economia
Bairro de Santa Cecília, um dos mais visados pelo mercado imobiliário em São Paulo

Bairro de Santa Cecília, um dos mais visados pelo mercado imobiliário em São Paulo

Edu Garcia/R7 - 22.11.2022

O preço dos imóveis residenciais deve evoluir de forma mais moderada em 2023, após a boa valorização registrada neste ano. A visão de analistas e empresários é que os preços devem subir no ritmo da inflação.

"Dificilmente os aumentos de preços de 2022 vão se repetir em 2023. Deve haver algum aumento, mas numa escala menor", disse o coordenador do curso de negócios imobiliários da FGV (Fundação Getulio Vargas), Alberto Ajzental.

Entre os vilões, segundo ele, estão a alta dos juros, que se reflete no financiamento imobiliário, e também a inflação em geral. "Vimos uma inflação alta no país, mas os salários não subiram da mesma forma. E a taxa de juros do financiamento não deve cair tão cedo. A saída para o consumidor vai ser escolher um imóvel menor ou em área mais distante", diz o especialista da FGV.

Há também o peso das incertezas sobre os rumos do país com a troca de governo. "O momento é de precaução", disse Alison Pablo Oliveira, coordenador da pesquisa de preços de imóveis da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas). "No frigir dos ovos, a perspectiva é de alguma estabilidade nos preços, em linha com a inflação. Não esperamos um mercado muito pujante."

Dados da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), baseados nos laudos de avaliação de imóveis novos e usados comercializados com financiamento bancário, mostram alta média de preços de 14,7% nos 12 meses encerrados em outubro, em dez capitais.

Outra pesquisa aponta um crescimento mais brando, de 6,34% no mesmo período, mas também superando a inflação de 5,9% medida pelo IPCA. Esse levantamento é da Fipe a partir dos anúncios de imóveis predominantemente usados. A base abrange 50 cidades. A pesquisa da Fipe costuma ter oscilação menor porque os imóveis usados são reajustados em ritmo mais lento. Já unidades na planta, em obras ou recém-construídas recebem repasse automático de custos das construtoras.

Desempenho do setor

Apesar do desempenho de 2022, o mercado diz estar com margens espremidas. "O mercado não conseguiu repassar aos preços de forma tão abrupta o aumento do custo dos insumos nos últimos trimestres", disse o presidente do Secovi-SP (sindicato da habitação), Rodrigo Luna. "As empresas ainda têm necessidade de buscar a recomposição."

De toda forma, o desempenho do setor não pode ser considerado ruim. "Os preços das residências continuam a apresentar evolução positiva. Há pouco espaço para que a tendência se esgote no curto e médio prazo, já que os custos de reposição estão em alta mesmo com a desaceleração da inflação", disse o analista do Bradesco BBI Bruno Mendonça. Só quando o limite de poder de compra do consumidor for atingido é que os preços devem começar a baixar, diz o analista.

Últimas