Economia Febraban critica manifestações e antecipação de calendário eleitoral

Febraban critica manifestações e antecipação de calendário eleitoral

Executivo da entidade afirma que 'não é construtivo que, a cada fim de semana, o país fique trocando a cor das bandeiras'

Agência Estado
Para Isaac Sidney, a economia brasileira tem demonstrado 'grande capacidade de resiliência' às crises

Para Isaac Sidney, a economia brasileira tem demonstrado 'grande capacidade de resiliência' às crises

Wilson Dias/Agência Brasil

O presidente da diretoria executiva da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, criticou as manifestações políticas no Brasil e a antecipação do calendário eleitoral. "Não é construtivo que a cada fim de semana, o país fique trocando a cor das bandeiras, ou fique alternando os gritos de guerra. Enquanto ficarmos politizando a pandemia, deixando o ano de 2021 passar e antecipando o calendário de 2022, pior será o ambiente político para as reformas", afirmou nesta segunda-feira (31).

Na avaliação de Sidney, a economia brasileira tem demonstrado "grande capacidade de resiliência" às crises, o que favorece a realização de reformas estruturais, entre elas a tributária e a administrativa.

O presidente da federação bancária destacou também que há um "cenário mais benigno" para o crescimento do país que havia no início do ano, impulsionado principalmente pela recuperação da economia mundial e crescimento internacional da demanda por commodities.

Sidney destacou notícias positivas da atual gestão, como os leilões de obras de infraestrutura e a geração de empregos, ainda que abaixo do esperado. Apesar da fala, Sidney defendeu o avanço da vacinação e "controle firme" da pandemia como necessários para a concretização das perspectivas otimistas de crescimento econômico brasileiro.

Segundo o presidente da Febraban, o crescimento de longo prazo "passa por um Estado mais enxuto". Sidney também afirmou que a disciplina fiscal e a inegociabilidade do teto de gastos devem fazer parte do leque de reformas do Estado brasileiro e elogiou o encontro entre o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, que destravou a reforma tributária.

Últimas